Sexta, 15 Novembro 2019 | Login
VÔLEI MASCULINO: Brasil bate Japão e é tricampeão da Copa do Mundo

VÔLEI MASCULINO: Brasil bate Japão e é tricampeão da Copa do Mundo Featured

 
A Seleção Brasileira masculina de vôlei garantiu nesta segunda-feira, 14/10, com antecipação de uma rodada, o título da Copa do Mundo. O troféu foi assegurado com uma vitória num complicado duelo contra o anfitrião Japão, por 3 sets a 1, com parciais de 25/17, 24/26, 25/14 e 27/25, na cidade de Hiroshima.
O terceiro título brasileiro na Copa do Mundo - os anteriores foram em 2003 e 2007 - foi conquistado nesta segunda, faltando ainda um jogo para a seleção na competição, graças à grande campanha brasileira na disputa de pontos corridos. Foram 10 vitórias em 10 jogos. A equipe nacional perdeu apenas cinco sets no torneio até agora.
Nesta terça, 15, a Seleção Brasileira, atual campeã olímpica vai encerrar sua campanha na Copa do Mundo de Vôlei masculino contra a Itália. na tentativa de coroar a conquista com uma campanha invicta. A Copa do Mundo é considerada a terceira maior competição da modalidade, atrás apenas dos Jogos Olímpicos e do Mundial. Os brasileiros, agora, são tricampeões também nestes dois grandes eventos.
A conquista desta segunda marca o maior título do técnico Renan Dal Zotto à frente da equipe desde que assumiu o comando, em janeiro de 2017, quando substituiu o multicampeão Bernardinho. Antes, sob a orientação de Renan, o Brasil faturou o Sul-Americano e a Copa dos Campeões, ambos em 2017. E foi vice-campeão da Liga Mundial (atual Liga das Nações) no mesmo ano e do Campeonato Mundial, em 2018.
Em sua trajetória rumo ao título, a seleção obteve sua maior vitória no domingo, quando bateu a poderosa Polônia. A equipe europeia se sagrou bicampeã mundial em duas finais em que venceu o Brasil. Com o triunfo desta segunda, a seleção alcançou os 29 pontos na tabela, sem poder ser alcançado justamente pela Polônia, que tem 25 e um jogo a menos.
O JOGO
Na partida desta segunda-feira, Renan escalou a seleção com apenas uma mudança em relação ao jogo anterior, contra a Polônia. Colocou Lucão em quadra, no lugar de Maurício Souza. O restante da equipe foi mantida, com Alan, Leal, Lucarelli, Flávio, Bruninho e o líbero Thalles. No decorrer do jogo, o treinador colocou Maurício Borges, Cachopa e Felipe Roque.
Com esta formação, o Brasil fez um bom início de jogo. Abriu 6/4 e não demorou para ampliar a vantagem para 20/15, antes de fechar a parcial com oito pontos de frente. Leal foi um dos destaques do set inicial, no ataque e também nos bloqueios, ao lado de Lucão.
O segundo set começou com o Japão na frente. O Brasil virou o marcador em 11/8, mas passou a oscilar em praticamente todos os fundamentos e viu os anfitriões crescerem em quadra. Os japoneses viraram para 12/11 e acabaram fechando a parcial, empatando a partida. Depois do susto, a seleção passeou no terceiro set. Começou fazendo 4/0, depois 10/2. A retomada da liderança do jogo veio com vantagem de 11 pontos na parcial.
Na sequência, mais tranquilo após a forte performance no terceiro set, o Brasil manteve o alto nível, mas encarou um Japão mais eficiente. Como consequência, as duas equipes transformaram o quarto set no mais equilibrado do jogo. Sem conseguirem abrir dois pontos de vantagem, os dois times fizeram 7/7, depois 10/10. O empate persistiu até 22/22. Na sequência, o Brasil desperdiçou dois match points antes de confirmar a vitória diante da empolgada torcida japonesa. (Estado de Minas)

000

About Author

Related items

  • SUPERLIGA FEMININA: São Paulo/Barueri e Osasco/Audax vencem fácil na estreia
    Outras favoritas, como Praia Clube, Sesc-RJ e Minas também venceram na primeira rodada da Superliga.
     
    A primeira rodada da Superliga Feminina de Vôlei 2019/20 foi realizada nesta terça-feira, 12/11, com todos os times da competição em quadra. E as duas equipes da região Oeste da Grande São Paulo - São Paulo/Barueri e Osasco/Audax - estrearam com o pé direito na competição.
    São Paulo 3 X 0 Fluminense
    São Paulo Barueri
    No primeiro jogo da noite, o São Paulo/Barueri, atual campeão Paulista, comprovou a boa fase do time e venceu o Fluminense pelo placar de 3 sets a 0, com parciais de 27/25, 25/ 20, 25/18, no Ginásio José Correa. Na semana passada, o Tricolor conquistou o seu primeiro título paulista ao vencer as duas partidas finais contra o Osasco/Audax.
    Com excelentes atuações do trio de atacantes formado por Lorenne, Tainara e Maira, a jovem equipe de Barueri, sob o comando de José Roberto Guimarães, só encontrou mais dificuldades para virar o placar no primeiro set. Porém, após ganhar a parcial, as meninas de Barueri controlaram a partida até o final do terceiro set.
    O próximo compromisso do time de Barueri será contra o maior rival do Flu, o Flamengo. O jogo acontece nesta sexta-feira, 15, às 20h (horário de Brasília), no Rio de Janeiro.
    Osasco 3 X 0 São Caetano
    Osasco Audax
    Outro time da Grande São Paulo, o Osasco/Audax, também não encontrou dificuldades na estreia da Superliga. Jogando no Ginásio José Liberatti, as osasqueses venceram o São Caetano por 3 a 0, com parciais de 25/17; 25/19 e 25/17.
    O destaque da partida foi a experiente ponteiraJaqueline, eleita pela comissão técnica a melhor do jogo. Jaqueline voltou a jogar pela Superliga após ficar de fora da competição na temporada passada.
    Neste sábado, 16, às 19h, o Osasco encara o Pinheiros, com transmissão da TV Cultura.
    Outros resultados
    Valinhos 0 X 3 Praia Clube
    A primeira rodada da Superliga registrou também vitórias para outrs três equipes favoritas ao título. O Praia Clube, de Uberlândia,atual vice-campeão, não teve muito trabalho para bater o Valinhos, no interior de São Paulo. O resultado final foi de 3 a 0 com parciais de 16/ 25; 21/25 e 15/25. O destaque do time mineiro foi a ponteira Pri Daroit, maior pontuadora do confronto com 17 pontos.
    Curitiba 0 X 3 Sesc-RJ
    Outro favorito da competição que venceu na primeira rodada sem perder sets foi o Sesc-RJ, sob o comando de Bernadinho. Sem poder contar com Tandara, com uma lesão no abdômen, o time carioca começou bem a Superliga e venceu o Vôlei Curitiba, fora de casa. A vitória foi de 3 a 0, com parciais de 25/27; 16/25 e 19/25.
    Flamengo 0 X 3 Minas
    Por sua vez, o atual campeão da Superliga Feminina, o Camponesa Minas foi até o Rio de Janeiro onde venceu o Flamengo na estreia da competição. Com o placar de 3 sets a 0, a equipe mineira contou com o retorno da oposta Sheilla, que atuou em boa parte do jogo. O placar final foi de 3 a 0 com parciais de 22/25; 21/25 e 30/32.
    Pinheiros 3 X 2 Sesi/Bauru
    E fechando a primeira rodada, o Pinheiros venceu o forte Sesi/Bauru, em casa. Os dois times protagonizaram uma grande partida e, no final, deu Pinheiros por 3 a 2, com parciais de 25/22; 26/24; 23/25; 17/25 e 15/10. (Fonte: G1)
  • VÔLEI FEMININO: São Paulo/Barueri ganha em Osasco e é campeão paulista
    A jovem equipe do técnico José Roberto Guimarães supera o experiente Osasco/Audax em pleno José Liberatti.
    Jogando nesta sexta-feira, 08/11, pela partia decisiva do Campeonato Paulista de Vôlei Feminino, o São Paulo/Barueri ganhou novamente do Osasco-Audax e conquistou pela primeira vez o título da competição. Após vencer o primeiro jogo por 3 a 0 em casa, desta vez a vitória do Tricolor foi de virada por 3 a 2 e com parciais de 22/25, 20/25, 26/24, 25/22 e 15/11.
    As meninas de Osasco começaram a partida dispostas a vencer as adversárias no tempo normal, para depois vencer o Golden Set e assim conquistar mais um título paulista, E após ganhar os dois primeiros sets, a torcida osasquense que lotou o Liberatti, acreditava que isso poderia acontecer. Só esqueceram de combinar isso com o jovem, porém, valente time de Barueri.
    São Paulo Barueri é campeão 2
    Com uma média de idade de 21 anos contra 27 do time adversário, a equipe de José Roberto Guimarães não se intimidou e virou o jogo, vencendo os terceiro, quarto e quinto sets, calando a torcida do Osasco/Audax, que já havia vencido 14 vezes o estadual de vôlei. Agora, os dois times levarão mais uma vez essa rivalidade regional para a Superliga 2019/20.
    São Paulo Barueri é campeão 4
    No jogo final, o destaque foi novamente a jovem ponteira Lorenne, ex-Osasco. "Fico feliz pela escolha que fiz, por estar em um time tão jovem, mas fomos a todo vapor. Agradeço a essas meninas, é um sentimento muito bom de satisfação por essa virada", disse Lorenne ao SporTV, chorando bastante de emoção. Ela relembrou que ficou dois anos no Osasco, mas teve poucas chances para jogar naquele período.
    O jogo
    São Paulo Barueri é campeão 3
    No primeiro set, o duelo começou equilibrado com as duas equipes se alternando na frente do marcador. Até que o Osasco/Audax, sob o comando de Luizomar de Moura, abriu dois pontos de vantagem no momento que Jaqueline cresceu na partida. A experiente ponteira fez pontos importantes e levou a equipe à vitória na parcial por 25 a 22, graças ao ponto decisivo da cubana Casanova.
    No set seguinte, o Barueri não se encontrou, errou muitos ataques (ou ficou no bloqueio) e deixou as donas da casa tranquilas para aumentar a diferença. Com um ace de Jaqueline, o Osasco fez 13 a 6. Depois, aumentou para 17 a 7, abrindo dez pontos de diferença. O time do técnico José Roberto Guimarães até reagiu, diminuiu a vantagem, mas o Osasco fechou em 25 a 20.
    Já no terceiro set, começou a reação do time de Barueri com Juma no saque e abriu uma vantagem inicial de 13 a 6. Aos poucos, no entanto, o Osasco foi equilibrando, empatou em 16 a 16 e no ponto da sérvia Bjelica virou para 20 a 19. Mas o tricolor manteve a calma e conseguiu fechar a parcial em 26 a 24, diminuindo a vantagem das adversárias.
    Embalado com a vitória no terceiro, o Barueri começou o quarto set muito bem e não deu chances ao adversário. No saque da Maira fez 10 a 6, abrindo uma pequena distância para o adversário. A diferença foi mantida durante alguns saques para ambos os lados até Bjelica diminuir para 21 a 19. Porém, o Barueri se manteve tranquilo e fechou em 25 a 22, levando o duelo para o tie break.
    No quinto e decisivo set, as osasquenses começaram bem, mas, o jogo foi equilibrado. O São Paulo/ Barueri iniciou um pouco melhor, mas o Osasco equilibrou e o confronto ficou parelho. Só que com bons bloqueios e erros das rivais, o Tricolor abriu 12 a 9 para delírio de sua torcida no ginásio. Com ótima atuação, coube a Lorenne fechar a partida em 15 a 11 e garantir o primeiro título estadual da equipe de José Roberto Guimarães. (Fonte: Terra).
  • VÔLEI FEMININO: São Paulo/Barueri vence Osasco/Audax por 3 a 0 no primeiro jogo da final do Paulista de vôlei
    A oposta Lorenne, ex-Osasco, foi a melhor jogadora e ajudou Tricolor nessa importante vitória. A Partida de volta será na sexta, no ginásio José Liberatti, em Osasco.
     
    Após o adiamento do primeiro jogo, em virtude da chuva e goteiras no Ginásio de Esportes José Correa, na terça-feira, nesta quarta-feira, 06/11, o São Paulo/Barueri fez um partidaço e venceu o Osaco/Audax por 3 a 0, com parciais de 25/22, 26/24 e 26/24. O destaque do jogo foi a oposta Lorenne, de 23 anos, ex-Osasco, que fez diferença, principalmente, no ataque.
    A gora, o São Paulo/Barueri leva essa grande vantagem para a segunda partida, que será disputada nesta sexta-feira, 8, no ginásio José Liberatti, em Osasco. Em caso de vitória da equipe osasquense, a partida irá para um super set decisivo,o Golden Set. E quem vencer será o campeão do torneio de 2019.
    O jogo
    Barueri x osasco lorene
    A oposta Lorenne, ex-Osasco, foi a melhora jogadora da primeira partida da final.
    A equipe de Osasco começou muito bem a partida. Impondo um ritmo forte, a equipe visitante chegou a abrir 5 a 1 no primeiro set. Porém, o Tricolor reagiu e usou de um bloqueio afiado para igualar e passar à frente no placar. O ponto que fez o São Paulo retomar a liderança começou com uma cortada do Osasco que atingiu forte a ponta Maira na cabeça e voltou. No retorno, Jaqueline subiu no bloqueio para abrir 11 a 10.
    A partir daí, o time de José Roberto Guimarães explorou muito o lado esquerdo do Osasco, ocupado pela cubana Casanova. Mesmo com a melhora do adversário na parte final do set, o Tricolor continuou explorando o lado esquerdo, com Maira e Tainara. Jaqueline ainda tentou fazer a diferença com boa movimentação ofensiva, mas não deu para reagir. Fernanda Tomé bateu na diagonal e mandou para fora, fechando o primeiro set em 25 a 22 para o time da casa. Um pouco antes, Ellen, do Osasco, saiu da partida contundia.
    O segundo set começou com um belo rali, que durou 37 segundos. Apesar da boa trama dos dois times, Juma e Diana cometeram um erro e a bola ficou de graça para o Osasco, que aproveitou para marcar o ponto. A partida continuou com bons lances, com Diana batendo na bola como se fosse de "três dedos" para fazer 12 a 11.
    A segunda metade do set foi de domínio do Osasco. Casanova cresceu de produção e também viu a qualidade de Jaqueline prevalecer. Com uma sequência de pontos, elas deixaram o placar em 18 a 14, obrigando o técnico José Roberto Guimarães a pedir tempo.
    E deu certo: o São Paulo cresceu após a parada e empatou, inspirado pela boa atuação de Jackeline. Tainara virou após soltar uma bomba na mão de Camila Brait, que defendeu, mas o Osasco não ficou com a bola. O jogo seguiu duro, mas o Tricolor conseguiu aproveitar o primeiro set point que teve na mão. Depois de muito esforço, Lorenne virou a bola com força e Roberta não conseguiu defender: vitória por 26 a 24 para o time da casa, que abriu 2 sets a 0.
    O terceiro set foi tão equilibrado quanto o segundo. E com o mesmo panorama do segundo: com a vantagem, o São Paulo fazia o Osasco correr atrás. Com o placar em 4 a 2, as atletas reclamaram de uma bola que teria sido dentro, mas o árbitro deu ponto para as visitantes. Pouco depois, Fernanda Tomé subiu para bloquear, mas acabou caindo em cima do pé de Lorenne e também saiu machucada.
    Assim, a partida seguiu muito equilibrada, com o Osasco mantendo a dianteira, mas sendo seguido de perto pelo São Paulo. De um lado, Lorenne comandava o Tricolor. Do outro, a sérvia Ana Bjelica dominava as ações. Tanto dominou que fez o Osasco chegar ao set point.
    Porém, na sequência, Lorenne respondeu com uma cortada violenta que atingiu o rosto de Roberta. Ela recolocou o Tricolor na frente com bola que bateu no bloqueio. E foi, justamente, Lorenne quem acabou fechando a partida. Com mais uma pancada, a ex-atleta do Osasco deu números finais ao jogo em 26 a 24. (Fonte: Globo Esporte)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.