Sexta, 21 Fevereiro 2020 | Login
Na terça-feira, o Internacional passou pelo Corinthians e, na quarta, o Grêmio venceu o Oeste de Barueri.
No dia 2 de janeiro, a Copa São Paulo de Futebol Junior foi iniciada com 127 times de todas as regiões, sendo a maioria de times paulistas. E quem esperava que pelo menos um time do Estado estivesse na decisão, no sábado, 25, se frustrou. O título da Copinha 2020 será decidido por um inédito Gre-Nal.
Sim, os dois maiores rivais do futebol gaúcho vão fazer a festa em terras bandeirantes, no dia em que a cidade de São Paulo completará 466 anos de fundação. O jogo final será realizado no Pacaembu, a partir das 10h, e como não terá time de São Paulo, a Federação Paulista de Futebol definiu que a partida poderá ter torcida dos times de Porto Alegre.
Para chegar à final da Copinha, o Internacional venceu o Corinthians, o maior campeão do torneio com 10 títulos, na terça-feira, por 3 a 1. Já o Grêmio venceu o Oeste Barueri, na quarta-feira, na Arena Barueri, por 1 a 0. Esta final mostra a força do futebol gaúcho e, principalmente, a atenção que Grêmio e Internacional dão às suas categorias de base.
O Grêmio, que sempre fez boas campanhas na torneio e já foi campeão em outras competições de base, corre atrás do seu primeiro título na Copa São Paulo. Já o Internacional é tetracampeão e, portanto, busca o seu quinto título da Copinha no Pacaembu. (Renato Ferreira)
Published in Esporte
Por 6 votos a 5, decisão dividida do STF reverteu o próprio entendimento da Suprema Corte. E os primeiros condenados beneficiados foi o ex-presidente Lula (PT) e o senador Eduardo Azeredo (PSDB). Mas, no Congresso já exstem PECs que podem derrubar a decisão do STF. A decisão afeta também a economia. Hoje, a Bolsa teve forte queda o dólar disparou para mais de R$ 4,15.
 
O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira, 07/11, pelo fim da prisão após condenação em segunda instância, com o claro objetivo de beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e que, consequentemente, vai beneficiar também quase 5 mil presos, que poderão recorrer ao próprio Supremo. Por 6 votos a 5, a Corte reverteu seu próprio entendimento, que autorizava as prisões após condenação em segunda instância desde 2016.
Assim, com a decisão de ontem, os condenados que foram presos com base no entendimento anterior poderão recorrer aos juízes que expediram os mandados de prisão para serem libertados. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o julgamento terá impacto na situação de 4,8 mil presos.
Os principais condenados na Operação Lava Jato podem ser beneficiados, entre eles, o ex-presidente Lula, preso desde 7 de abril do ano passado, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, após ter sua condenação por corrupção e lavagem de dinheiro confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), no caso do tríplex do Guarujá (SP), além do ex-ministro José Dirceu e ex-executivos de empreiteiras. Segundo o Ministério Publico Federal (MPF), cerca de 80 condenados na operação serão atingidos.
Votos
A sessão de quinta-feira começou o voto da ministra Cármen Lúcia e o placar de 4 a 3 a favor prisão em segunda instância. Ela votou a favor e aumentou a vantagem para 5 a 3.
Mas, como faltavam ainda os votos dos garantistas Gilmar Mendes e Celso de Mello, tudo indicava mesmo que o placar chegaria a 5 a 5, ficando a decisão para o voto de minerva para o presidente da Corte, Dias Toffoli.
Os votos dos últimos três ministros, além de confirmarem que o assunto dividiu a Corte e a opinião daqueles que interpretam uma mesma Constituição, eles escanraram também que a decisão vai acabar gerando inseguranã e um caos jurídico no país. Gilmar Mendes chegou a várias vezes criticar e ironizar os membros da Força Tarefa da Lava Jato. Celso de Mello cansou a todos com um extenso voto, enquanto Dias Toffoli, se não foi tão prolixo, acabou apresentando argumentos muito frágeis para votar contra a prisão.
Tão frágeis foram os seus argumentos, que o presidente do Supremo chegou a informar que o fim da prisão em segunda instância não interferirá nos casos de prisão provisória ou preventiva. Ou seja, a decisão política do STF define - pasmem - que um juiz pode pedir a prisão preventiva e que o preso ficará detido, mas, se for condenado em segunda instância ele terá que deixar a prisão. É muito difícil de entender esses ministros e as suas interpretações da Constituição Federal.
Como votaram
Votaram a favor da prisão os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia .
E votaram contra, os ministros Marco Aurélio de Mello, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli.
Congresso pode derrubar decisão do STF
Líderes favoráveis à prisão em segunda instância pedem urgência e ameaçam até obstruir pautas importantes no Senado.
Se depender de parlamentares favoráveis à prisão em segunda instância, o Congresso poderá aprovar em regime de urgência uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) e, assim, jogar por terra essa decisão dividida e polêmica do Supremo Tribunal Federal. Há propostas semelhantes já tramitando nas CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), tanto do Senado como da Câmara dos Deputados.
E a proposta está mais adiantada no Senado. Poucos dias antes da votação no Supremo, 42 senadores entregaram um documento assinado por eles ao presidente da Corte, Dias Toffoli, onde afirmavam ser a favor da prisão após condenação em segunda instância.
A presidente da CCJ do Senado, Simone Tebet (MDB-MS), afirmou que pretende pautar a PEC já na próxima segunda-feira, 11. E os parlamentares a favor da prisão já pediram, inclusive, que a proposta seja enviada diretamente para o plenário da Casa. E ameaçaram. Caso a proposta não seja votada imediatamente eles poderão obstruir Projetos importantes no Senado que já estão prontos para serem votados na Casa.
"Vamos fazer obstrução geral enquanto não resolvermos essa situação. Vamos obstruir qualquer pauta - o Orçamento, os PLNs (Projetos de Lei de Crédito Suplementar e Especial), as medidas provisórias - enquanto a prisão em segunda instância não for prioridade", prometeu o líder do Podemos na Câmara, José Nelto (GO). Ele reclama que a decisão do STF de só permitir a prisão após o trânsito em julgado cria insegurança jurídica e garante que há maioria no Congresso para aprovar a volta da prisão em segunda instância. "O Brasil passou a ser chacota internacional. Nós que legislamos temos que agir. O Congresso tem que mostrar sua cara", afirmou.
Igualmente contrário à decisão do STF que beneficia o ex-presidente Lula, o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) disse que também vai obstruir as próximas votações para cobrar a tramitação da prisão em segunda instância. Representante do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim ainda disse que conseguiu apoio de outros deputados do DEM, PP, PSL e PSB para a obstrução.l
Condenados, mas, em liberdade
Lula e Azeredo
Mesmo condenados por corrupção e lavagem de dinheiro, o petista Lula e o tucando Azeredo ganham a liberdade graças à decisão polêmica do STF
E dois primeiros condenados beneficiados pela decisão dividida do STF, foi o ex-presidente Lula e o ex-senador tucano, Eduardo Azeredo (MG). Azeredo foi condenado a 20 anos de prisão no chamado mensalão tucano. Além de políticos, a decisão do Supremo vai colocar nas ruas também condenados por crimes de assaltos, tráfico de drogas, sequestros e homicídios.
 
Preso desde abril de 2018. Lula foi condenado a mais de 8 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. Nesse caso, ele foi condenado também em segunda instância, como também perdeu todos recursos no STJ (Superior Tribunal de Justiça).
O ex-presidente petista, que responde a outros processos, já foi condenado também em primeira instância a 11 anos de prisão, também por corrução e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia.
Mas, na tarde desta sexta-feira, ele deixou a carceragem da Polícia Federal de Curitiba. Com a decisão do STF, Lula passa a responder pelos crimes em liberdade até que sejam julgados todos os recursos no Supremo Tribunal Federal. (Renato Ferreira)
Published in Política
A oposta Lorenne, ex-Osasco, foi a melhor jogadora e ajudou Tricolor nessa importante vitória. A Partida de volta será na sexta, no ginásio José Liberatti, em Osasco.
 
Após o adiamento do primeiro jogo, em virtude da chuva e goteiras no Ginásio de Esportes José Correa, na terça-feira, nesta quarta-feira, 06/11, o São Paulo/Barueri fez um partidaço e venceu o Osaco/Audax por 3 a 0, com parciais de 25/22, 26/24 e 26/24. O destaque do jogo foi a oposta Lorenne, de 23 anos, ex-Osasco, que fez diferença, principalmente, no ataque.
A gora, o São Paulo/Barueri leva essa grande vantagem para a segunda partida, que será disputada nesta sexta-feira, 8, no ginásio José Liberatti, em Osasco. Em caso de vitória da equipe osasquense, a partida irá para um super set decisivo,o Golden Set. E quem vencer será o campeão do torneio de 2019.
O jogo
Barueri x osasco lorene
A oposta Lorenne, ex-Osasco, foi a melhora jogadora da primeira partida da final.
A equipe de Osasco começou muito bem a partida. Impondo um ritmo forte, a equipe visitante chegou a abrir 5 a 1 no primeiro set. Porém, o Tricolor reagiu e usou de um bloqueio afiado para igualar e passar à frente no placar. O ponto que fez o São Paulo retomar a liderança começou com uma cortada do Osasco que atingiu forte a ponta Maira na cabeça e voltou. No retorno, Jaqueline subiu no bloqueio para abrir 11 a 10.
A partir daí, o time de José Roberto Guimarães explorou muito o lado esquerdo do Osasco, ocupado pela cubana Casanova. Mesmo com a melhora do adversário na parte final do set, o Tricolor continuou explorando o lado esquerdo, com Maira e Tainara. Jaqueline ainda tentou fazer a diferença com boa movimentação ofensiva, mas não deu para reagir. Fernanda Tomé bateu na diagonal e mandou para fora, fechando o primeiro set em 25 a 22 para o time da casa. Um pouco antes, Ellen, do Osasco, saiu da partida contundia.
O segundo set começou com um belo rali, que durou 37 segundos. Apesar da boa trama dos dois times, Juma e Diana cometeram um erro e a bola ficou de graça para o Osasco, que aproveitou para marcar o ponto. A partida continuou com bons lances, com Diana batendo na bola como se fosse de "três dedos" para fazer 12 a 11.
A segunda metade do set foi de domínio do Osasco. Casanova cresceu de produção e também viu a qualidade de Jaqueline prevalecer. Com uma sequência de pontos, elas deixaram o placar em 18 a 14, obrigando o técnico José Roberto Guimarães a pedir tempo.
E deu certo: o São Paulo cresceu após a parada e empatou, inspirado pela boa atuação de Jackeline. Tainara virou após soltar uma bomba na mão de Camila Brait, que defendeu, mas o Osasco não ficou com a bola. O jogo seguiu duro, mas o Tricolor conseguiu aproveitar o primeiro set point que teve na mão. Depois de muito esforço, Lorenne virou a bola com força e Roberta não conseguiu defender: vitória por 26 a 24 para o time da casa, que abriu 2 sets a 0.
O terceiro set foi tão equilibrado quanto o segundo. E com o mesmo panorama do segundo: com a vantagem, o São Paulo fazia o Osasco correr atrás. Com o placar em 4 a 2, as atletas reclamaram de uma bola que teria sido dentro, mas o árbitro deu ponto para as visitantes. Pouco depois, Fernanda Tomé subiu para bloquear, mas acabou caindo em cima do pé de Lorenne e também saiu machucada.
Assim, a partida seguiu muito equilibrada, com o Osasco mantendo a dianteira, mas sendo seguido de perto pelo São Paulo. De um lado, Lorenne comandava o Tricolor. Do outro, a sérvia Ana Bjelica dominava as ações. Tanto dominou que fez o Osasco chegar ao set point.
Porém, na sequência, Lorenne respondeu com uma cortada violenta que atingiu o rosto de Roberta. Ela recolocou o Tricolor na frente com bola que bateu no bloqueio. E foi, justamente, Lorenne quem acabou fechando a partida. Com mais uma pancada, a ex-atleta do Osasco deu números finais ao jogo em 26 a 24. (Fonte: Globo Esporte)
Published in Esporte
Campeão será conhecido no próximo domingo, 21, em Itaquera .
 
São Paulo e Corinthians não saíram do 0 a 0 neste domingo, 14/04, no Morumbi, onde fizeram o primeiro duelo da decisão do Campeonato Paulista 2019. Assim, , nenhum dos dois finalistas leva vantagem para o jogo de volta, no próximo domingo, 21, na Arena Corinthians, em Itaquera. Se houver novo empate, o título será decidido nos pênaltis..
Nos primeiros 45 minutos, os dois times correram muito, porém, não foram objetivos e a melhor chance de gol foi do Tricolor. Aproveitando um cruzamente, o zagueiro Arboleda acertou uma forte cabeçada e o goleiro Cássio acabou evitando o gol em cima da linha.
São Paulo vence o Ituano Cássio
Cássiou salvou o Corinthians pelo menos em duas oportunidades
 
Ainda no primeiro tempo, o VAR funcionou para esclarecer uma jogada duvidosa. Everton Felipe chutou forte e a bola desviou no braço do defensor corintiano. O árbitro solicitou ajuda do VAR e, em seguida, optou pelo escanteio.
Na segunda etapa, com a entrada de Hernanes no lugar de Gonzalo Carneiro, o São Paulo passou a ser mais agressivo e também mais objetivo no ataque. O meia acertou bons chutes, forçando Cássio a fazer pelo menos uma excelente defesa num arrebate de fora da área. Em outra oportunidade, o volante Luan acertou um belo chute que desviou em Clayson quase enganando o goleiro Cássio.
Já o Corinthians teve poucas jogadas perigosas. Numa delas, em jogada de escanteio, Henrique cabeceou para fora do gol.
No final da partida, o VAR foi novamente acionado. O árbitro pediu auxílio dos colegas de vídeo após suspeitar de puxão de Hernanes no zagueiro Henrique dentro da área. Porém, o pênalti não foi confirmado pelo VAR.
Antes da decisão de domingo, o Corinthians volta a campo na quarta-feira, 17, em Chapecó, onde enfrentará a Chapecoense pela Copa do Brasil. Já o Tricolor terá uma semana livre para treinar antes do jogo final.
Published in Esporte
 
Na noite desta segunda-feira, 08/04, o Corinthians venceu o Santos nas penalidades, no Pacaembu, e vai enfrentar o São Paulo na decisão do Campeonato Paulista de 2019. O Tricolor passou pelo Palmeiras nas semifinais.
Santos vence Cortinthians mas perde nos pênaltis
Nos 90 minutos normais, o Santos foi bastante superior ao Timão e venceu por 1 a 0. E como havia perdido o jogo de ida por 2 a 1, na Arena Corinthians, a decisão foi para os pênaltis, quando o Timão venceu por 7 a 6.
O gol do Santos foi marcado pelo zagueiro Gustavo Henrique, que fez os quase 40 mil torcedores explodirem de alegria no Paulo Machado de Carvalho. Mas, poucos minutos depois, os santistas ficaram frustrados quando viram o experiente Victor Ferraz chutar o sétimo pênalti na trave.
Com a vitória nas penalidades, o Corinthians vai para a sua terceira decisão consecutiva do Paulistão. O jogo de ida será no Morumbi, no dia 14, às 16h. E a partida decisiva será também às 16h, no dia 21, na Arena Corinthians. Caso haja empate nas nos dois jogos, a decisão do Paulista será nos pênaltis. (Renato Ferreira)

Published in Esporte
Nas semifinais, o Tricolor goleou o Guarani, enquanto o Vasco da Gama derrotou o Corinthians nos pênaltis.
 
Nesta terça-feira, 22/01, São Paulo e Vasco venceram seus compromissos nas semifinais e agora vão disputar o título da principal competição sub 20 do país. O Tricolor vai atrás do seu quarto título. A final será realizada no Pacaembu, às 15h30 de sexta-feira, 25, dia do aniversário da cidade de São Paulo.
Jogando na Fonte Luminosa, em Araraquara, o São Paulo não teve dificuldades para vencer o Guarani por 5 a 2, pela semifinal da 50ª Copa São Paulo de Futebol Júnior. Com a vitória, o Tricolor vai para a final da competição pela 11ª vez em sua história.
O clube paulista tem três títulos no torneio (1993, 2000 e 2010) e sete vices (1981, 1992, 1994, 2001, 2004, 2007 e 2018). A goleada tricolor foi construída com gols marcados por Antony (2), Fabinho (2) e Vitinho. Lucas Prado e Davó fizeram os gols da equipe de Campinas.
Vasco
Vasco
Os meninos do Vasco não se impressionaram com o grande apoio da torcida corintiana na Arena Barueri
 
Já na Arena Barueri, Corinthians e Vasco da Gama fizeram uma partida movimentadíssima que terminou com a vitória dos cariocas na decisão por pênaltis. Os meninos do Vasco não se impressionaram com o grande apoio da torcida corintiana e abriram o placar logo aos nove minutos com Tiago Reis. O Corinthians não havia ainda nem conseguido assimilar o gol, quando sofreu o segundo golpe. Aos 17 minutos, o zagueiro Mirana fez 2 a 0 para o Vasco.
Na segunda etapa, os vascaínos perderam a chance de liquidar o resultado com um pênalti desperdiçado logo aos sete minutos. Assim, o Timãozinho acordou e em empatou a partida com dois gols do centroavante Nathan. Na decisão por pênaltis, o Vasco errou apenas uma cobrança, contra dois erros dos paulistas e venceu por 4 a 3. (Renato Ferreira)

 
Published in Esporte

No Estádio Santiago Bernabéu, River venceu o Boca por 3 a 1 e conquistou mais um título sul-americano

 

Como todos sabem a colonização espanhola na América  começou com a chegada de Cristóvão Colombo às Antilhas em 1492, quando ele procurava um novo caminho para as Índias. E para consolidarem o seu domínio em territórios americanos, os espanhóis tiveram que travar muitas batalhas contra os habitantes nativos do continente, como, por exemplo, os impérios Inca, Asteca e dos Maias.

Depois de vários séculos de lutas das colônias, muitos países da região foram se libertando e nesse contexto aparecem verdadeiros heróis, como Simón Bolivar, um militar liberal e líder político venezuelano, reconhecido como o "Libertador da América", do domínio espanhol.

História desta Libertadores atípica

Torcida do River

Mas, em 2018, depois de 58 anos de disputa, a Libertadores foi decidida fora da América do Sul. Curiosamente, o título foi decidido na Espanha, depois de uma verdadeira batalha campal em Buenos Aires, que poderia lembrar até as batalhas espanholas para dominar a América.

No primeiro jogo, em La Bombonera, dia 11/12, houve empate entre dois maiores rivais argentinos, no jogo que é conhecido como o Super Clássico. Esse primeiro jogo já havia ficado tenso, uma vez, que foi adiado de sábado, 10, para domingo, devido ao verdadeiro temporal sobre a capital argentina.

A segunda partida, dentro das condições normais de um povo civilizado, estava marcada para o dia 24, no Monumental de Nuñes, a casa do River Plate. Só que o que se viu naquele sábado, foi uma verdadeira batalha nas ruas de Buenos Aires. Os torcedores do River atacaram o ônibus do Boca com pedradas e atingiram diversos jogadores.

Diante da pancadaria, a polícia foi obrigada a entrar e o que não faltou foi também pancadaria por parte dos policiais e bombas de gás lacrimogênio por toda a região do Monumental, e claro, inviabilizando a realização da partida.

Posteriormente, houve várias idas e vindas da Conmebol no sentido de encontrar um outro local para a decisão da Libertadores 2018, desde que não fosse em território argentino.

Diversas Arenas do Brasil, como o Mineirão, Maracanã, e de outros estados, como também de outros Continentes, se ofereceram para sediar a partida final entre os dois rivais argentinos.

Por fim, a Confederação Sul-Americana de Futebol resolveu aceitar a oferta do Real Madrid e, então, o jogo foi realizado no último domingo, 9, em terras espanholas.

De virada, o River, conhecido como "o time millonario" venceu o Boca Juniors por 3 a 1, no Santiago Bernabéu. Os gols do campeão foram marcados por Pratto, Quintero e Pity Martínez, enquanto Benedetto fez o único gol do Boca. Este foi o quarto título do River na competição.

Assim, depois de tantas batalhas entre os povos de lá e de cá para dominar e para se libertar, os times da ex-colônia disputaram a Libertadores da América em terras dos ex-colonizadores. (Renato Ferreira)

TRAGICÔMICO é uma publicação de Notícias & Opinião todas às quartas-feiras. Excepcionalmente, publicamos a desta semana nesta quinta-feira, 13 de dezembro.

Published in Esporte

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.