Sexta, 21 Fevereiro 2020 | Login
Os acusados foram denunciados por associação criminosa e interceptação de comunicações.
 
O jornalista Glenn Greenwald e outros seis investigados por envolvimento na invasão hacker ao celular do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foram denunciados nesta terça-feira, 21/01, pelo Ministério Público Federal. As informações são da revista Crusoé.
A denúncia é de associação criminosa e interceptação ilegal de comunicações.
O ataque hacker resultou na publicação de conversas atribuídas ao ex-juiz da Lava Jato com o procurador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, e outras autoridades, no site The Intercept Brasil.
Segundo a denúncia do MPF, o jornalista Glenn Greenwald, de forma livre, consciente e voluntária “auxiliou, incentivou e orientou, de maneira direta, o grupo criminoso. Durante a prática delitiva, agindo como garantidor do grupo, obtendo vantagem financeira com a conduta aqui descrita.”
De acordo com o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, a denúncia não representa afronta à liberdade de imprensa. O argumento é de que há jurisprudência para não configurar como crime a conduta de profissionais que apenas divulgam dados sigilosos — sem participar, de forma direta, da quebra do sigilo.
Além do jornalista, foram denunciados os seis investigados pela Polícia Federal na Operação Spoofing: Walter Delgatti Neto, Thiago Eliezer Martins, Luiz Henrique Molição, Gustavo Santos, Danilo Marques e Suelen Priscila de Oliveira. (Conteúdo Jovem Pan)
Published in Política

O jornalista, que divulgou mensagens de rackers, quis interferir na pauta do programa e levou invertida.

Na próxima segunda-feira, 20/01, o programa Roda Viva da TV Cultura, na estreia da jornalista Vera Guimarães na condução do programa, vai entrevistar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. A a entrevista com o ex-juiz da Lava Jato, que investigou e levou políticos e empresários de renome à prisão, como o ex-presidente Lula, já está causando impacto mesmo antes de ser realizada.
Nesta terça-feira, 14, quem resolveu abordar o assunto de forma crítica azeda foi o jornalista americano Gleen Greenwald, do portal The Intercept, responsável por vazar supostas mensagens atribuídas a Moro. São gravações conseguidas de forma criminal por rackers que, inclusive, estão presos. Greenwald não gostou nenhum pouco da participação do ministro Moro no programa Roda Vida, e questionou os profissionais que estavam a frente do programa. Hoje, 15/01, o programa rebateu as declarações feitas pelo americano, e afirmou que quem decide os participantes é a TV Cultura.
“Seria indesculpável e um tanto covarde para o Roda Viva permitir que Sergio Moro aparecesse sem colocar um jornalista do The Intercept Brasil no painel para participar da discussão” escreveu Gleen
Leão Serva, diretor de jornalismo da emissora, em entrevista concedida ao colunista Mauricio Stycer, do UOL, rebateu e afirmou que a declaração de Greenwald foi indelicada e que sugestões sobre quem vai participar ou não da bancada do Roda Viva não são aceitas.
“A escolha do entrevistado e dos entrevistadores é feita pela TV Cultura. Não pedimos sugestões nem submetemos a bancada ao entrevistado. Alguns já fizeram sugestões, mas nenhuma foi acatada”
Ainda nesta quarta-feira,15, a TV Cultura anunciou o nome dos jornalistas que participarão da entrevista com Sérgio Moro. São eles: Andreza Matais, do Estadão; Malu Gaspar, da Piauí; Leandro Colon, da Folha; e Felipe Moura Brasil, da Jovem Pan. (Renato Ferreira com do Portal BR7 e Pleno News)
 
EM TEMPO: Noto que o programa Roda Viva por ser da TV Cultura tem sido muito crítico ao governo Bolsonaro. E, claro, por ser uma TV de São Paulo, subsidiada pelo governo estadual, seus programas, como o próprio Roda Viva, são muito mais simpáticos ao Governo do Estado e ao governador João Doria, do PSDB. E ao meu ver, o Greenwald foi infeliz em sua crítica, pois, tenho percebido que na formação da bancada de entrevistadores, o Roda Viva tem procurado manter um equilíbrio. (Renato Ferreira)
Published in Política
Ele negou que a Portaria de Moro tenha ligação com o jornalista americano Glenn Greenwald, um dos fundadores do site The Intercept Brasil, que publicou supostos diálogos entre Sergio Moro e procuradores da Lava-Jato.
 
"Pelo que o Moro falou comigo, ele tem carta branca, né, eu teria feito um decreto. Tem que botar pra fora mesmo, quem não presta tem mandar embora. Não tem nada a ver com o caso desse GreenWald. Nada a ver com o caso dele. Tanto é que não se encaixa nessa portaria o crime que ele está cometendo. Até porque ele é casado com outro homem e tem meninos adotados no Brasil", comentou Bolsonaro.
O presidente ainda ironizou o fato de o americano não correr risco de ser deportado, mas poderia ir parar na prisão aqui no Brasil. "Ele não vai embora. O Green pode ficar tranquilo. Talvez pegue uma cana aqui no Brasil, não vai pegar lá fora não", afirmou.
Mais cedo, o presidente defendeu que "publicar informações mentirosas, mesmo sabendo que foram mentirosas, e não se retratar é um crime também", em referência à investigação sobre a suposta invasão de hackers a dados de aparelhos celulares de autoridades do País.
A portaria de Moro prevê que estão sujeitos ao "rito sumário de expulsão" estrangeiros suspeitos de terrorismo, de integrar grupo criminoso organizado ou organização armada e pessoas acusadas de traficar drogas, pessoas ou armas de fogo.
Bolsonaro corroborou que estrangeiros suspeitos de cometer crimes sejam deportados, mesmo que os supostos crimes não tenham sido comprovados judicialmente. "Eu não sou xenófobo, mas na minha casa entra quem eu quero. E o Brasil é a minha casa", disse. "É suspeito apenas, sai daqui. Já tem bandido demais no Brasil. O sentimento dele é o meu, parabéns ao Moro pela portaria", declarou o presidente. (Conteúdo Estadão)
Published in Política
A ex-parlamentar relatou ter sido comunicada pelo Telegram de uma invasão em seu aplicativo, no dia 12 de maio.
 
As investigações da Polícia Federal sobre conversas de autoridades rakeadas e os vazamentos do site Intercpt, começam a revelar contatos do jornalista Gleen Greenwald com políticos brasileiros. A ex-deputada federal Manuela D´Ávila (PCdoB), candidata a vice-presidente na chapa petista de Fernando Haddad, em 2018, admitiu nesta sexta-feira, 26/07, que foi ela quem passou o contato do jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil, ao hacker Walter Delgatti Neto
Depoimento do hacker
Também hoje, em depoimento à Polícia Federal, Delgatti afirmou que entrou em contato com a ex-deputada no dia 12 de maio, domingo de Dia das Mães, para dizer que tinha um acerto de conversas do MPF contendo irregularidades.
Posteriormente, ele conversou com o jornalista do The Intercept e mostrou o material que havia obtido no Telegram dos procuradores da República Deltan Dallagnol, Orlando Martelo Júnior, Diogo Castor e Januário Paludo.
No depoimento para PF, Delgatti afirmou que não realizou qualquer edição dos conteúdos das contas de Telegram das quais teve acesso. O suposto hacker disse que acredita não ser possível fazer edição das mensagens do Telegram em razão do formato utilizado pelo aplicativo.
Todos os contatos telefônicos, segundo Delgatti, foram obtidos por meio de invasões a telefones celulares. Conforme o depoimento, ele conseguiu o contato da ex-deputada por meio da agenda do Telegram da ex-presidente Dilma Rousseff.
O contato da petista, por sua vez, ele havia conseguido através da lista de contato do Telegram do ex-governador do Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão. Delgatti, no entanto, diz não se recordar como obteve o número de Pezão.
Segundo o depoimento de Delgatti, em um primeiro momento Manuela não havia acreditado no material, por isso relutou em passar o contato do editor do Intercept.
Ele então enviou um áudio de uma conversa entre os procuradores Orlando Martelo Júnior e Januário Paludo. Cerca de 10 minutos após ter mandado o documento, Delgatti diz ter recebido uma mensagem no Telegram de Glenn Greenwald.
Ainda conforme o depoimento à Polícia Federal, Glenn teria dito ao hacker que tinha interesse no material. Delgatti começou a passar os conteúdos pelo próprio Telegram, mas como eram muito pesados, criou uma conta na nuvem e passou a senha para o jornalista.
Versão de Manuela
Em nota divulgada à imprensa nesta sexta-feira, a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) confirmou que passou o contato do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil a alguém que dizia ter “obtido provas de graves atos ilícitos praticados por autoridades brasileiras”.
Na nota, Manuela informa que desconhece a identidade do invasor de seu celular. “Estou, por isso, orientando os meus advogados a procederem a imediata entrega das cópias das mensagens que recebi pelo aplicativo Telegram à Polícia Federal”, informou.
Leia a íntegra da nota:
NOTA À IMPRENSA
"Tomando ciência, pela imprensa, de alusões feitas ao meu nome na investigação de fatos divulgados pelo “The Intercept Brasil”, e por me encontrar no exterior em atividades programadas desde o início do corrente ano, esclareço que:
1. No dia 12 de maio, fui comunicada pelo aplicativo Telegram de que, naquele mesmo dia, meu dispositivo havia sido invadido no Estado da Virginia, Estados Unidos. Minutos depois, pelo mesmo aplicativo, recebi mensagem de pessoa que, inicialmente, se identificou como alguém inserido na minha lista de contatos para, a seguir, afirmar que não era quem eu supunha que fosse, mas que era alguém que tinha obtido provas de graves atos ilícitos praticados por autoridades brasileiras. Sem se identificar, mas dizendo morar no exterior, afirmou que queria divulgar o material por ele coletado para o bem do país, sem falar ou insinuar que pretendia receber pagamento ou vantagem de qualquer natureza.
2. Pela invasão do meu celular e pelas mensagens enviadas, imaginei que se tratasse de alguma armadilha montada por meus adversários políticos. Por isso, apesar de ser jornalista e por estar apta a produzir matérias com sigilo de fonte, repassei ao invasor do meu celular o contato do reconhecido e renomado jornalista investigativo Glenn Greenwald.
3. Desconheço, portanto, a identidade de quem invadiu meu celular, e desde já, me coloco a inteira disposição para auxiliar no esclarecimento dos fatos em apuração. Estou, por isso, orientando os meus advogados a procederem a imediata entrega das cópias das mensagens que recebi pelo aplicativo Telegram à Polícia Federal, bem como a formalmente informarem, a quem de direito, que estou à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos sobre o ocorrido e para apresentar meu aparelho celular à exame pericial". (R7 e Agência Brasil)
Published in Política
Walter Delgatti Neto, o "Vermelho", considerado o líder do grupo preso ontem, confirmou à Polícia Federal ter sido responsável pela invasão dos celulares de Sergio Moro, Deltan Dallagnol e outras centenas de autoridades dos três poderes. Ele teria dito também que o seu material serviu de base para os vazamentos do Intercpt.
A Polícia Federal informou nesta quarta-feira, 24/07, em coletiva de imprensa, que mil números telefônicos diferentes podem ter sido alvo da quadrilha suspeita de hackear o aplicativo de mensagens Telegram do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e de outras autoridades. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também pode estar entre as vítimas.
"Aparentemente, mil números telefônicos diferentes foram alvo desse mesmo modus operandi dessa quadrilha. Há possibilidade, ainda não temos uma identificação e nem começamos a fazer isso, mas há possibilidade de um número muito grande de possíveis vítimas desse mesmo tipo ataque que está sendo investigado agora", disse o coordenador geral de Inteligência da PF, João Vianey Xavier Filho.
A PF investiga se o ministro da Economia foi vítima do mesmo grupo. "No momento da busca e apreensão, no celular de um dos indivíduos estava uma conta no aplicativo de mensagens vinculada com o nome Paulo Guedes. A gente tem que confirmar isso de forma pericial, mas é forte indicativo de que a conta seja realmente a do ministro", explicou o diretor do Instituto Nacional de Criminalística, Luiz Spricigo Júnior.
De acordo com Xavier Filho, os números telefônicos supostamente atacados serão identificados para que se possa aferir a extensão exata dos ataques. A PF vai encaminhar ainda nesta quarta-feira um ofício para o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) solicitando uma reunião para buscar formas de sanar as fragilidades encontradas na investigação.
ATUAÇÃO
De acordo com a PF, a investigação é conduzida desde pelo menos abril, quando procuradores da Força Tarefa da Lava Jato passaram a relatar algumas ligações recebidas em seus aparelhos originadas do próprio número. Em junho, Moro e outras autoridades informaram ocorrência semelhante.
A polícia conseguiu então chegar aos números de IP, que são relacionados à conexão à internet, dos dispositivos que supostamente executaram os ataques. Também foi identificado o tipo de equipamento que os indivíduos usavam. "Um dos equipamentos era um celular exatamente da marca e modelo que foi identificado na posse dos indivíduos", diz Júnior.
De acordo com Filho, na residência de um dos alvos, foi localizado pela PF um computador contendo "atalhos de conexão a várias contas de aplicativo de mensagem". Segundo ele, tudo indica que havia captura sistemática de contas desses aplicativos. "Não há como confirmar, o levantamento é preliminar, mas tudo indica, e aparentemente isso vai ser melhor esclarecido mais adiante, que o conteúdo das mensagens dessas contas capturadas era baixado nos dispositivos, nos computadores dos investigados", diz Filho.
A PF deverá detalhar as formas de atuação dos investigados em laudo pericial, a ser encaminhado ainda esta semana.
 
FRAUDES BANCÁRIAS
De acordo com a PF, o grupo era especializado em fraudes bancárias por meio da internet. "O perfil dessas pessoas é de estelionato bancário eletrônico. Eles estão, em vários graus diferentes de envolvimento, de alguma forma ou de outra, vinculados a fraudes bancárias eletrônicas, praticadas mediante internet banking, mediante engenharia social com contato de possíveis vítimas e fraudes em cartões de crédito e débito", diz Filho. Segundo ele, foi localizada na casa de um dos alvos quase R$ 100 mil em espécie.
Segundo informou Walter Delgatti, houve casos apenas de invasões a celulares, outros de roubo de dados e ainda de sequestro da linha para simular conversas com terceiros.
INTERCPT
Segundo informou o Portal Antagonista, o hacker Delgatti Neto disse que o material conseguido por ele de forma criminosa serviu como fonte para as reportagens do site Intercpt, do jornalista norte-americano Gleen Greenwald.
Moro parabeniza
Por meio de seu perfil na rede social Twitter, Moro parabenizou a PF, o Ministério Público Federal (MPF) e a Justiça Federal pelas investigações. (Com informações da Agência Brasil e O Antagonista)
Published in Política

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.