Domingo, 29 Março 2020 | Login
A Rede Vírus vai desenvolver pesquisas para mapear o Covid-19.
O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, informou nesta segunda-feira 02/03, que o governo federal prevê investir R$ 10 milhões via Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) em pesquisas voltadas para o mapeamento e sequenciamento do novo coronavírus.
Segundo Pontes, o valor ainda é uma previsão e deve ser aplicado em 2020. A informação foi divulgada após teleconferência sobre o novo coronavírus com ministros de Ciência e Tecnologia de outros oito países (Alemanha, Canadá, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Inglaterra, Itália, Japão e Nova Zelândia).
Em fevereiro, a pasta criou a Rede Vírus, uma rede de pesquisa envolvendo cientistas e laboratórios para ajudar no enfrentamento de viroses emergentes, com foco inicial em coronavírus e influenza. O grupo é formado por especialistas e representantes do Ministério da Saúde, de entidades científicas e de unidades de pesquisa.
O ministro Marcos Pontes afirmou em entrevista aos veículos da Empresa Brasil de Comunicação (EBC):
“A ideia é trabalhar com o Ministério da Saúde para colocar recursos para que essa rede possa desenvolver as pesquisas. Certamente vai ajudar em termos de modelamento desse vírus, no mapeamento e no sequenciamento desse genoma e muitas outras possibilidades em termos de tratamento, testes clínicos. Então, o Brasil pode contribuir muito”
A rede de pesquisa será coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) e definirá uma agenda de prioridades de pesquisa e ações futuras para auxiliar no combate de viroses no país. A atuação deverá ser restrita ao campo da pesquisa científica, como auxiliar e complementar às iniciativas do Ministério da Saúde.
Ministros de Ciência
De acordo com Marcos Pontes, o grupo de ministros de Ciência discutiu sobre formas de trocar informações sobre o novo coranavírus entre os países e como pode haver a colaboração entre os países.
“Nós tratamos de três assuntos: o que estamos fazendo em cada um desses países em termos de pesquisa para auxiliar a parte de saúde propriamente dita. Segundo: como a gente pode trocar dados; e terceiro, como podemos colaborar com os diversos países”, explicou Pontes. O grupo de ministros faz parte do Carnegie Group of Science Advisers, criado em 1991 para reunir anualmente ministros da Ciência de diversos países.
Segundo o ministro, o grupo tem trabalhado no mapeamento e identificação da origem do novo coronavírus.
“A pesquisa e o desenvolvimento têm uma série de fatores que trabalham na busca de identificar o vírus, o genoma, o modelamento. Com esse tipo de identificação, a gente consegue ter uma ideia de onde vem, que tipo de vírus a gente recebeu aqui no Brasil. É importante a gente ter a noção dessa propagação”, completou.
A previsão de Pontes é que o grupo mantenha o contato, por teleconferência, semanalmente. (Agência Brasil)
Published in Política
Estão na lista diversas concessões de rodovias, aeroportos, ferrovias e portos, que devem chegar a R$ 101 bilhões em investimentos. É o Brasil na rota do desenvolvimento.
 
Após o início do ano, o governo deve realizar em fevereiro o primeiro leilão de concessão de ativos para a iniciativa privada. Trata-se de concessão da BR-101, no trecho entre Paulo Lopes (SC) e a divisa com o estado do Rio Grande do Sul, marcado para o dia 21/01. A concessão da rodovia faz parte da previsão de 40 a 44 ativos de infraestrutura que o governo pretende leiloar em 2020.
A expectativa é que os projetos de concessão de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias alcancem R$ 101 bilhões em investimentos durante o período de duração dos contratos. Em 2019, foram vendidos 27 ativos, que devem resultar em R$ 9,4 bilhões em investimentos e R$ 5,9 bilhões em outorgas.
Além da BR-101, outras seis rodovias, 22 aeroportos (divididos em três blocos), nove terminais portuários, duas ferrovias sejam concedidos à iniciativa privada. Também está no radar do governo a renovação antecipada de quatro contratos de transporte ferroviário de cargas.
O contrato de concessão da BR-101 é de 30 anos. De acordo com o edital, vence o certame que oferecer o menor valor da tarifa básica de pedágio. Mas a BR-101, não é a mais aguardada pelo mercado. De acordo com o Ministro da Infraestrutura a concessão da Nova Dutra (BR-116/465/101) deve ser o ativo que mais vai despertar o interesse dos investidores.
Rodovias
Leilões rodovias
A Via Dutra é administrada pela empresa CCR desde 1996. O contrato vence em março de 2021, mas a intenção do governo é realizar o certame no final do segundo semestre de 2020. O governo pretende fazer um novo leilão da rodovia já no segundo semestre de 2020. O trecho a ser leiloado liga as duas maiores regiões metropolitanas do país (Rio de Janeiro e São Paulo), passando por 34 cidades.
A intenção do governo é conseguir realizar o leilão até o final do ano, mas caso ocorra algum atraso no cronograma o leilão pode passar para 2021. Pelo cronograma, as informações sobre o leilão estão em consulta pública a cargo da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). As contribuições serão recebidas até fevereiro de 2020.
O processo será submetido posteriormente a apreciação do Tribunal de Contas da União (TCU). Depois da aprovação do acórdão, haverá a publicação do edital e, por fim a realização do leilão.
Além das duas rodovias, o governo também pretende leiloar no segundo trimestre de 2020, a BR-163, no trecho de 970 km, de Sinop (MT) a Miritituba (PA) e as BRs-153/080/414, no trecho de 852 km entre Anapólis (GO) e Aliança do Tocantins (TO), no terceiro trimestre.
Já no quarto trimestre estão previstos os leilões da BR-116/493 no trecho de 711 km do Rio de Janeiro (RJ), passando por Além Paraíba (MG) até Governador Valadares (MG); a BR-040/495 no trecho de 180 km de Juiz de Fora (MG) ao Rio de Janeiro (RJ), e a BR-381/262, no trecho de 672 km, de Belo Horizonte (MG), passando por Governador Valadares (MG) e indo até Viana (ES).
A BR-262 passa por Belo Horizonte e São Paulo e cortando municípios especializados em diferentes produtos agrícolas, além da pecuária. A rodovia também é um corredor para escoamento de produtos industriais, como do setor automobilístico, cortando ainda o Vale do Aço.
Ferrovias
Leilões ferrovias
Os leilões desse modal se concentrarão nas ferrovias Ferrogrão e Ferrovia de Integração Oeste-leste (Fiol). A Ferrogrão ainda não tem definição do cronograma de concessão. A previsão do governo é que o contrato seja de 65 anos, com entrada em operação em 2030.
A Fiol vai ligar os municípios de Ilhéus e Caetité, ambos na Bahia. Com aproximadamente 537 km de extensão, a ferrovia deve levar o minério de ferro produzido na região de Caetité e a produção de grãos e minérios do Oeste da Bahia através do Porto Sul, complexo portuário a ser construído nos arredores da cidade de Ilhéus. O leilão está previsto para o terceiro semestre, com 30 anos de duração do contrato.
Portos
Leilões portos
Na área portuária, o governo pretende leiloar nove terminais nos estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Paraná e São Paulo. No Ceará, está prevista a realização no segundo trimestre do leilão do Terminal Marítimo de Passageiros de Fortaleza. O contrato é de 25 anos e vence o certame quem oferecer o maior valor de outorga.
Na Bahia, o governo vai leiloar um terminal de granéis sólidos no Porto Organizado de Aratu/Candeias, dedicado principalmente à movimentação de fertilizantes, concentrado de cobre e minérios diversos. A previsão é que o contrato seja de 25 anos, mas sua duração ainda está em estudos. A previsão é de realização do leilão no quarto trimestre e vence o certame quem oferecer o maior valor de outorga.
No Maranhão, serão arrendados quatro terminais de granéis líquidos no Porto do Itaqui, em São Luís. Serão três contratos de 25 anos e um de 20 anos, com previsão de realização do leilão no segundo trimestre. O leilão também será na modalidade de maior valor da outorga.
Em São Paulo, o governo vai leiloar dois terminais no Porto de Santos. As duas áreas, localizada na região do Macuco, na margem direita do porto, são dedicadas à movimentação de carga geral (celulose). O leilão vai acontecer no terceiro trimestre, com prazo de duração do contrato de 25 anos.
Já no Paraná, serão leiloadas duas áreas no Porto de Paranaguá. Um terminal de movimentação de carga geral e o outro para movimentação de veículos. O primeiro contrato terá duração de 10 anos e o segundo de 25. A expectativa é que o primeiro leilão ocorra no terceiro trimestre e o segundo no quarto.
Aeroportos
Leilões aeroportos
O governo também vai leiloar 22 aeroportos (divididos em três blocos), como parte da 6ª rodada de concessões de aeroportos. O prazo dos contratos será de 30 anos e vence o certame quem oferecer o maior valor de outorga na assinatura do contrato. A previsão é que o certame ocorra no quarto trimestre.
Os blocos estão divididos da seguinte maneira: Bloco Norte que compreende os aeroportos de Manaus (AM), Tabatinga (AM), Tefé (AM), Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC) e Boa Vista (RR), cuja movimentação anual é de 4,4 milhões de passageiros.
Bloco Sul, que abrange os aeroportos de Curitiba (PR), Foz do Iguaçu (PR), Londrina (PR), Bacacheri em Curitiba (PR), Navegantes (SC), Joinville (SC), Pelotas (RS), Uruguaiana (RS) e Bagé (RS), que movimentam 12 milhões de passageiros por ano.(Fonte: Revista Globo Rural)
Published in Política

O anúncio foi feito pelos ministros Onyx Lorenzoni e Ernesto Araújo, hoje, durante a visita de Bolsonaro ao país.

 

O fundo soberano da Arábia Saudita vai investir até US$ 10 bilhões em projetos no Brasil, cerca de R$ 40 bilhões. O anúncio foi feito nesta terça-feira ,29/10, pelos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).
Entre as obras de infraestrutura beneficiadas está a ferrovia Ferrogrão, que liga Mato Grosso ao Pará. Para o ministro Ernesto Araújo, o aporte "vai estimular outros fundos a investir no país". Onyx vê o anúncio como uma demonstração de confiança dos árabes no Brasil.
O anúncio ocorre logo após a reunião do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Nessa reunião, eles discutiram oportunidades de fortalecimento de investimentos.
Brasil e Arábia Saudita também negociam a facilitação de entrada de turistas dos dois países em seus territórios.
O fundo pertencente ao governo saudita será o responsável pelos investimentos no Brasil. Já o governo brasileiro se comprometeu a trabalhar em conjunto com o fundo na facilitação da iniciativas, incluindo informações sobre legislação.
A expectativa era que Bolsonaro apresentasse aos líderes árabes o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que tem 18 projetos de concessões e privatizações e poderá ser um guia de oportunidades de investimento.
A passagem pela Arábia Saudita é o último trecho da viagem de Bolsonaro pela Ásia. Antes ele esteve no Japão, China, Emirados Árabes e Catar. Em todos esses países, o presidente brasileiro assinou acordos bilaterais na área comercial.
A presença de Bolsonaro em Riade, capital da Arábia Saudita, é uma oportunidade para o Brasil fortalecer a relação com o país, um de seus principais importadores de carne. Para especialistas, a viagem é também uma chance de o presidente reduzir a desconfiança deixada no início do ano, quando Bolsonaro defendeu a ideia de mudar a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, o que gerou críticas por parte dos países árabes.
Emirados Árabes
Mais cedo nesta terça, Bolsonaro informou pelo Twitter que o fundo bilionário dos Emirados Árabes também elevará investimentos no Brasil. “Intenção é investir em portos, estradas, mineração, imóveis e entretenimento”, escreveu o Presidente da República (Fonte: R7)
Published in Política
Depois das visitas ao Japão e à China, onde assinou importantes acordos comerciais, Bolsonaro amplia parcerias comerciais com os árabes.
O presidente Jair Bolsonaro e o xeique Mohammed bin Zayed Al Nahyan, príncipe herdeiro de Abu Dhabi, concordaram em expandir o comércio entre Brasil e os Emirados Árabes Unidos e ampliar parcerias envolvendo fundos de investimentos em setores como agronegócio, infraestrutura, energia e defesa. Os acordos foram divulgados em declaração conjunta divulgada neste domingo, 27/10.
Bolsonaro visitou Abu Dhabi como parte de uma viagem de 10 dias pela Ásia e o Oriente Médio em busca de atrair investimentos para o Brasil. O presidente visitará três países do Golfo Pérsico na esperança de superar uma desavença diplomática travada com nações árabes no ano passado devido a uma proposta, depois abandonada, de transferir a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém.
Nos Emirados Árabes Unidos, o presidente se reuniu com o xeique Al Nahyan, que também é vice-comandante Supremo das Forças Armadas, e com o xeique Mohammed bin Rashid Al Maktoum, primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e emir de Dubai, e ainda participou de um seminário empresarial.
O Brasil tem interesse especial nos Emirados Árabes Unidos como porta de entrada para a facilitação do acesso de produtos brasileiros a mercados de terceiros países, sobretudo na Ásia, diante da localização estratégica, da infraestrutura avançada e do ambiente de negócios dinâmico dos Emirados, de acordo com a declaração conjunta divulgada pelo Itamaraty.
"Ambos os líderes ressaltaram a excelente cooperação econômica entre o Brasil e os Emirados Árabes Unidos e manifestaram a determinação de fortalecê-la ainda mais. Ao recordarem os já expressivos investimentos mútuos, identificaram convergências e iniciativas conjuntas prioritárias com vistas à ampliação de parcerias envolvendo fundos de investimentos em setores como agronegócio e segurança alimentar, infraestrutura, transportes, energia, defesa e inovação, visando a benefícios mútuos para os povos e as economias de ambos os países", afirmou o texto.
As duas partes assinaram acordos nos campos de inteligência artificial, meio ambiente, defesa, comércio e cooperação aduaneira, acrescentou.
Depois dos Emirados Árabes Unidos, Bolsonaro ainda visitará Catar e Arábia Saudita. O presidente se encontrará com chefes de Estado e falará em conferências de negócios em Doha, na segunda-feira, e em Riad, na quarta-feira. (Fonte: Terra)
Published in Política

 

Com o objetivo de buscar sempre o melhor atendimento à população, a Prefeitura de Osasco, sob o comando de Rogério Lins (PODE), continua investindo pesado na área da Saúde Pública. São investimentos que vão desde a construção e reforma geral em Unidades Básicas, UPAS e Prontos Socorros, até a reforma geral em setores do Hospital Municipal Antônio Giglio.

Osasco saúde 3

Nesta terça-feira, 27/08, acompanhado do secretário de Saúde, Fernando Machado Oliveira, de vereadores, de secretário Municipais, e da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Aline Lins, Rogério Lins entregou à população mais sete novas alas no Hospital Municipal.

Osasco saúde 2

Foram obras da nova UTI do 4º andar, recepção da ala de ortopedia, Clínica Ortopédica, Clínica Cirúrgica, Clínica Psiqiátrica, Parque Tecnológica (com setor de Raio X e Tomografia), além do setor de Endoscopia/Colonoscopia.

Osasco saúde 1

"Continuaremos trabalhando todos os dias para fazermos a saúde de Osasco ser cada vez melhor", postou Lins nas redes sociais. (Renato Ferreira)

Published in Cidade

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.