Sábado, 23 Fevereiro 2019 | Login
"Febre Amarela nunca mais", disse Osvaldo Cruz em 1903

"Febre Amarela nunca mais", disse Osvaldo Cruz em 1903 Featured

Hoje, em 2018, no entanto, graças ao descaso dos governantes, essa frase é apenas um quadro histórico no Museu da República. A febre amarela voltou a matar brasileiros. Triste realidade!

 

Nesta tarde de sábado, 25/08, fazendo mais uma visita ao Museu da República, no Palácio do Catete (RJ), depois de cinco anos, chamou-me a atenção esse quadro, com uma frase de Osvaldo Cruz, onde o grande cientista e médico sanitarista preconizava o fim da febre amarela no Brasil. Não sabia ele, no entanto, que mesmo depois da erradicação dessa terrível doença, a má gestão, a falta de comprometimento e a corrupção dos governantes brasileiros fariam com que a peste voltasse em pleno Século 21.

Na época do Império e também no início dos anos 1900,o Rio de Janeiro vivia o auge da riqueza brasileira brasileira. Na cidade mais conhecida do Brasil, moravam os grande Barões do Café e a nata da sociedade brasileira. Só que, mesmo concorrendo com outras cidades do mundo, o Rio era conhecida também como o "Cemitério dos Estrangeiros", pois aqui, além dos brasileiros, ricos e pobres, os visitantes eram vítimas fatais de graves doenças, dentre elas, a febre amarela, transmitida por mosquitos.

Médicos de renome, como Osvaldo Cruz, estudavam e pesquisavam diariamente uma forma de combater a terrível doença. Mas isso, como ele fala nesse texto, teria que ser uma luta travada pelos governantes e pelo Congresso, pois, dependeria de recursos e de leis.

Em 1903, quando se iniciou o grande combate à doença, Osvaldo Cruz afirmou: "A febre amarela cessará no Rio de Janeiro, desde que o Congresso forneça os meios, que dele dependem. Disponha o Governo do dinheiro e das leis que julga necessárias, e a febre amarela, no Rio, será, em breve, um mito".

E, realmente, com o trabalho do incansável Osvaldo Cruz e de outros grandes nomes da República, em 1942, a febre amarela urbana foi erradicada no Brasil.

Mas, infelizmente, com o passar dos anos, tudo mudou para pior. Nas últimas décadas, congressistas e governo foram deixando de lado o pedido de Osvaldo Cruz. Os recursos para a saúde preventiva foram sendo desviados para os ralos da corrupção.

E, hoje, em pleno Século 21, a frase do cientista é apenas um quadro no Museu da República. A febre amarela, como outras doenças que já haviam sido erradicadas, voltaram a matar brasileiros no campo e nas cidades. Pobre Brasil! (Renato Ferreira)

000

About Author

Related items

  • GLOBO EM DECADÊNCIA! Quando a mídia passa a agir com desonestidade intelectual ela perde credibilidade

     

    Renato Ferreira - 

    Já está mais do que claro que o Grupo Globo - TV, rádio, jornal e revista Época - tem hoje como principal alvo derrubar o governo Bolsonaro, a partir do momento em que a maior emissora do papis viu seus interesses financeiros prejudicados. E faz isso com apoio de jornais como a Folha e a revista Veja, dentre outros veículos anti Bolsonaro. São veículos que sempre dobraram e dominaram governos anteriores para continuarem mamando nas tetas de governos corruptos.

    Para uma emissora poderosa como a Globo, que fez de tudo para evitar a vitória popular Bolsonaro, seria até natural que fizesse oposição ferrenha ao governo atual. Porém, essa oposição teria que feita com o mínimo de ética que exige o bom jornalismo.

    Mas, infelizmente, a Globo e seus aliados partem para um jornalismo desqualificado, de uma tremenda desonestidade intelectual. Isso é prova de desespero que acaba refletindo, inclusive, no conteúdo das programações da TV, como também de seus veículos impressos. Além de erros grotescos ao vivo por parte de alguns repórteres novos, contratados para substituir profissionais mais antigos demitidos, a queda do padrão global pode ser visto também nos textos de suas mídias digitais e também impressos. Fruto, possivelmente, de redução de despesas com profissionais em consequência de queda no faturamento por parte de polpudas verdas federais.

    Eu falo de desonestidade intelectual com base numa das reportagens do JN de sábado 16/02, quando mais uma vez a emissora falava do ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, acusado de distribuir dinheiro do Fundo Partidário para candidaturas laranjas, que entrou em rota de colisão com o governo Bolsonaro. Como Bolsonaro prometeu, Bebiano foi demitido na tarde desta segunda-feira, 18.

    Demonstrando claramente que o seu objetivo não é com o fato e nem com a informação isenta, mas, sim com a versão dela, a Globo disse o seguinte: "A crise no governo aumentou quando Bibianno foi chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro".

    Ora, até uma criança de 8 anos no Brasil sabe que esse problema entre o governo e Bebianno surgiu no sábado, 9, quando o Presidente Jair Bolsonaro recebeu alta no Hospital Albert Eisntein e voltou para Brasília.

    Acuado pela acusação, Bebiano disse a uma repórter da Globo (inimiga declarada do Governo), que estava tranquilo e que até tinha ligado, no próprio sábado, três vezes para Bolsonaro e falado com o Presidente no Hospital sobre o problema das candidaturas laranjas.

    Só que enquanto Bolsonaro voava para Brasília, o vereador carioca, Carlos Bolsonaro, que ficou com o pai no Hospital durante toda a internação, postou no seu Twitter desmentindo o ministro, afirmando que ele não havia ligado para Bolsonaro. O próprio presidente, mais tarte, confirmou a informação do filho Carlos.

    Então, o fato verdadeiro foi que Bebianno mentiu publicamente envolvendo o Presidente da República e foi desmascarado também publicamente. Muitos poderiam alegar, como alegaram, que o filho Carlos acabou gerando a crise no Governo ao desmentir o ministro. Só que se Bolsonaro deixasse isso passar, hoje, ele estaria definitivamente envolvido num problema criado por um ministro, justamente, com quer a Globo para encontrar um fato para derrubar o governo.

    Então, a informação não deveria ser aquela que a Globo passou para o público: "O ministro foi chamado de mentiroso por Carlos Bolsonaro", e sim, esta: "O ministro mentiu ao dizer que ligou para o Presidente e foi desmentido por Carlos Bolsonaro". Esse é o fato. 

    Isso que a Globo e seus aliados fizeram é desonestidade intelectual. É o pior lado do jornalismo. E para uma emissora que está, visivelmente, em queda livre de audiência, essa postura de deturpar os fatos na tentativa de derrubar um governo, poderá ser a pá de cal no que ainda resta de credibilidade em seu jornalismo. (Renato Ferreira)

  • Bolsonaro demite Bebianno e General Floriano Peixoto assume Secretaria-Geral da Presidência

     

    Na tarde desta segunda-feira, 18, o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, anunciou a demissão do ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno (PSL), por decisão do Presidente Jair Bolsonaro. E, conforme já havíamos noticiado no sábado, de acordo com o porta-voz, o substituto de Bebiano será o general da reserva Floriano Peixoto Neto.

    Acusado de distribuir recursos do Fundo Partidário para candidaturas laranjas do partido, Bebiano entrou em rota de colisão com o Governo, quando disse para uma repórter da Globo, no sábado, 9, que havia falado três vezes com Bolsonaro, naquele sábado, dia em que o Presidente teve alta do Hospital Albert Einstein.

    Horas mais tarde, no entanto, Bebianno foi desmentido por Carlos Bolsonaro, filho do Presidente, que ficou com ele no hospital. Nas redes sociais, Carlos afirmou que o ministro mentiu. Ele não falou com Bolsonaro sobre o problema e o próprio Presidente confirmou a versão filho.

    Substituto

    general floriano peixoto neto

    General da Reserva Floriano Peixoto Neto é o novo ministro da Secretaria-Geral da Presidência

    Agora, por quebra de confiança em seu ministro, Jair Bolsonaro o demite do cargo com menos de dois meses de governo. E para ocupar o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Bolsonaro nomeia o General da Reserva, Floriano Peixoto Neto, que já era número 2 da Secretaria-Geral.

    O General foi também um dos Comandantes do Exército Brasileiro na missão de paz no Haiti. Ele é o oitavo militar a fazer parte do primeiro escalão do Governo Bolsonaro.

    Investigação
    Na semana passada, Bolsonaro determinou também que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, por meio da Polícia Federal, investigue as denúncias de candidaturas laranjas do PSL. (Renato Ferreira)

  • PREVENÇÃO: Como está a sua barragem?

     

    Por Renato Ferreira -

    No Brasil, um dos maiores países em riquezas mineirais do planeta, rios, nascentes, usinas hidrelétricas e de grande extração mineral, pode-se dizer que todos os brasileiros têm uma barragem para chamar de sua. E, então, você sabe qual a situação dessa barragem aí, próximo à sua casa, na cidade, e também daquela, lá no interior, um pouco acima de sua chácara ou sítio, onde você reside ou passa os finais de semana com a família?

    Cuidado! Comece a fiscalizar por conta própria, para não ser surpreendido como nossos irmãos lá de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, vítimas de mais um crime da Vale, uma das maiores mineradoras do mundo.

    Barragem urbana

    Existem barragens como reservatórios de água para abastecimento, de hidrelétricas e também as barragens de rejeitos minerais. E, sem dúvidas, as barragens de rejeitos são as de maiores riscos, justamente, por causa do lixo químico que ela abriga, além da lama tóxica que destrói o meio ambiente. Mas, todas carecem de atenção permanente para verificar a situação da construção e a manutenção necessária. No Brasil são de 20 mil barragens e muitas delas oferecem sério risco à população e ao meio ambiente.

    Portanto, fique atento e fiscalize você mesmo a sua região, porque os bilionários empresários donos dessas barragens de rejeitos minerais, de onde eles tiram seus bilionários lucros, não fiscalizam. Nem eles e, muito menos, os políticos que elegemos para administrar o Brasil, os estados e as cidades.

    Além de centenas de rompimentos menores que ocorrem em todas as regiões do Brasil, Minas nos deu um triste exemplo há três anos, quando a barragem do Fundão, da mineradora Samarco, sócia da Vale, rompeu em Mariana.

    O crime ambiental de Mariana tirou a vida de 19 pessoas, além de causar a maior destruição ao meio ambiente do mundo. Ele acabou com a mata, nascentes, fauna e flora da Bacia do Rio Doce, um dos mais importantes para o abastecimento de água do país.

    Tragédia em Brumadinho casa destruída

    Mas, infelizmente, os responsáveis não aprenderam a lição de Mariana. A então presidente Dilma Rousseff (PT) fez vista grossa. O então governador de Minas, o também petista Fernando Pimentel foi omisso e cúmplice, pois, além de não exigir punições severas, ainda permitiu a operação em mina já desativada, como foi o caso dessa barragem da Vale, em Brumadinho. Até hoje ninguém foi condenado pelo crime de Mariana, como também as multas e indenizações não foram pagas.

    Para enganar a população, a Vale passou a veicular a mensagem de "Mariana nunca mais", como se tivesse mudado a sua política de extração e destinação dos rejeitos minerais. Tudo mentira. A mineradora não fez nada diferente após Mariana e nem o governo de Pimentel exigiu mudanças.

    O resultado dessa combinação de ação e omissão criminosas por parte de empresários e governantes não poderia ser outro, senão, mais um grave crime ambiental. E a vítima foi a cidade de Brumadinho.

    O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, que assumiu o cargo em 2017, continua dando entrevistas, lamentando o "acidente", como se a sua empresa não fosse a principal culpada por esse crime hediondo, por centenas de assassinatos e mais uma devastação do meio ambiente. Já foram confirmadas 110 mortes e cerca de 240 pessoas continuam desaparecidas.

    Durante entrevista nesta quinta-feira, 31, após reunião com a Procuradora-Geral da República, Raquel Dodge, prometendo doação e indenização às vítimas, Fabio Schvartsman se superou. Ele, que é engenheiro, disse que a sirene não soou antes do rompimento em Brumadinho, porque ela foi "engolfada" pelo rompimento rápido e inesperado. Seria melhor que esse senhor ficasse calado e parasse de afirmar tanta besteira.

    Escrevo este artigo não com intuito de alarmas, mas, sim, com o objetivo de as pessoas se mobilizem cada vez no sentido de cobrar das autoridades as fiscalização dessas barragens.

    E essa fiscalização deve ser muito rigorosa, pois, além da deterioração da obra, ou de um abalo sísmico, pode ainda ocorrer atém mesmo uma sabotagem, como ocorrem os incêndios criminosos. Nesse caso, a empresa não pode ser responsabilizada, porém, é uma hipótese que os empresários não podem descartar e têm que investir para prevenir qualquer tipo de ataque.

    Então, meu amigo, se você mora em algum bairro, ou tem chácara próximo à alguma barragem, tome cuidado e procure saber como está essa construção, que gera lucros a empresários criminosos e que a qualquer momento pode romper e destruir tudo que encontrar pela frente. (Renato Ferreira)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.