Segunda, 10 Dezembro 2018 | Login
ARTIGO: Parabéns, sim, Lula!

ARTIGO: Parabéns, sim, Lula! Featured

Parabéns, sim, Lula!


Artigo do Jornalista Renato Ferreira, publicado em 12 de dezembro de 1989, no Jornal de Piracicaba, cuja opinião, depois de 30 anos mostra-se atualíssima sobre a história política, econômica e social do Brasil e sobre as contradições de nossos políticos.

Considero a profissão de Jornalista uma das mais belas do mundo e uma das quais o profissional tem por obrigação atuar com responsabilidade e ética, mesmo que isso possa-lhe trazer prejuízos financeiros.

Ao longo de quase quarenta anos de profissão, esse tem sido o meu norte: exercer o jornalismo buscando sempre a verdade dos fatos. Sem dúvida, é uma linha tênue entre a imparcialidade e e parcialidade, mas, se o jornalista deprezar a verdade, com certeza, ele perde a principal arma da profissão: a credibilidade.

E o jornalismo é belo também porque ele dá ao profissional de comunicação, a meu ver, mais do que em qualquer outra profissão, uma liberdade ampla e irrestrita para o exercício de suas funções. Liberdade esta que o jornalista tem para noticiar, investigar, opinar, criticar e elogiar sempre dentro do princípio da honestidade e da ética.

Não tinha a intenção de publicar esse artigo sobre o Lula, de 1989, agora. Ele faz parte de uma coletânia de notícias, artigos, opiniões e crônicas que pretendo publicar brevemente em um livro, contando essa minha trajetória de quase quatro décadas observando e escrevendo sobre o nosso tão querido Brasil, porém, também de tantas contradições, sobretudo, políticas e sociais.

Mas, diante da atual conjuntura do país, com tantas investigações sobre corrupção e prisões de grandes lideranças políticas e empresariais, como o próprio Lula, resolvi pinçar e publicar esse artigo, comparando-o com a realidades de hoje.

Trata-se de uma defesa do Lula feita há 30 anos, quando ele era a esperança de um povo e arrastava multidões por onde passava. Ao contrário de hoje, quando seus aliados promovem atos em defesa dele, mas, agora, de um políico preso condenado pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Inclusive, neste sábado, 19 de maio, a cúpula petista estará reunida na cidade de Osasco, região Oeste da Grande São Paulo, para participar de mais um ato em defesa do Lula https://bit.ly/2I9xQ4D . Trata-se de um evento programado pelo ex-prefeito da cidade, ex-presidente estadual do PT e atual tesoureiro do partido, Emídio de Souza. Dentre outras lideranças petistas, devem participar da reunião, em Osasco, o vereador paulistano e ex-senador, Eduardo Suplicy; o presidente estadual da legenda e pré-candidato ao governo de São Paulo, Luiz Marinho, e a senadora e presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmman.

E é na cidade de Osasco, que a liberdade no exercício do jornalismo já me rendeu alguns adjetivos, justamente, por eu ser um jornalista que escrevo e falo sobre fatos do nosso dia-a-dia e do momento atual. Nessa cidade, onde exerço a maior parte de minhas atividades desde 1991, quando voltei de Piracicaba, já fui chamado de "rossista", "giglista", "peemedebista, petista e tucano. Rossista e giglista são referências, respectivamente, ao ex-prefeito e ex-deputado Federal, Franisco Rossi, e ao saudoso, também ex-prefeito, ex-deputado Federal e Estadual, Celso Giglio. Não dá para agradar a todos quando procura-se falar a verdade.


Peço, então, um pouco da sua atenção! Leia, a seguir, a íntegra do artigo que escrevi em dezembro de 1989, entre o primeiro e o segundo da eleição presidencial disputada por Lula e Collor. Dois extremos, mas, que ao longo dos anos ficou claro que eram extremos somente no discurso.


Parabéns, sim, Lula!

Após o resultado do 1º turno das eleições presidenciais, quando o povo escolheu democraticamente Collor e Lula para disputarem a Presidência da República, a imprensa brasileira tem sido recheada com diversos artigos contra o candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Aparecem até mesmo artigos irônicos, tentando denegrir a imagem de um homem que se mostra apenas preocupado com a miséria de seu povo. São artigos que, no fundo, evidenciam mesmo o desespero de uma classe dominante, retrógrada e perversa, que não admite nem pensar em ver diminuídos os seus lucros criminosos, em prol da miserável população brasileira.

Sobre as publicações irônicas, gostaria de me referir à que foi publicada neste "Espaço Aberto", no último dia 26 de novembro, com o título: "Parabéns Lula". Nela, o autor brinca, ironiza, fala inverdades e, infelizmente, numa fase de abertura democrática, usa o espaço, não para esclarecer o povo sobre os seus direitos e deveres, mas sim, para tentar manchar o nome de um ex-torneiro mecânico, que lutou pelos seus companheiros, enquanto classe trabalhadora, lutou como Deputado Federal e, hoje, deseja chegar à Presidência apenas com um objetivo: tornar a sociedade brasileira mais justa. São artigos dessa natureza que pregam a luta de classe e não o discurso do Lula. A luta de classe já vem sendo travada há muito tempo. É uma luta surda, com milhões de crianças indefesas morrendo de fome de um lado e os poderosos "capitalistas" do outro.

E estou muito a vontada para defender o candidato Lula. Não sou petista. Votei em Brizola no 1º turno, e agora jamais poderia votar em Collor de Mello, que em lugar de caçador de marajás não passa de um fabricante de marajás, dos quais, muitos estão trabalhando em sua campanha. Por isso, parabéns, sim, Lula! Os brizolistas estão com você pela libertação do povo brasileiro.

Os falsos defensores do capitalismo e da livre iniciativa festejam hoje, a derrubada do "Muro de Berlin", mas, esquecem (?) dos vários muros existentes no Brasil. Os falsos democratas e falsos capitalistas esquecem do muro do analfabetismo, que eles mesmos construíram. Somos o país com o maior número de analfabetos do mundo, o que mostra o grau de desenvolvimento da Nação. Esquecem (?) também que a maioria absoluta do povo brasileiro não pode ultrapassar o muro da saúde, pois morre antes na fila da Previdência. Somo também o país dos desdentados, campeões de mortes antes do 1º ano de vida. E, são tantos muros que, certamente, o "Muro de Berlin" não teria significado aqui no Brasil.

Aqueles que, hoje, querem relacionar a Alemanha Oriental, Tchecoslováquia, , Polônia e outros países do Leste Europeu com o Brasil, esquecem de que estamos na América do Sul, numa cultura totalmente diferente. O povo daqueles países quer apenas conseguir a liberdade de ir e vir, o que é uma coisa sagrada e que estamos plenamente de acordo, mas, perguntamos: O brasileiro tem esta liberdade? Ou está preso atrás do muro da miséria?

O autor do artigo a que fiz referência, certamente, responderia que estamos numa sociedade livre e que todos têm liberdade de crescer. Mas, isto é verdade? A maioria do povo brasileiro é responsável e trabalha, e será que todos podem viajar no momento que desejarem? Ou podem se alimentar na hora que têm fome? Então, é o povo, o povo pobre que tem mais condições de responder a estas perguntas. Que bom seria se todos aqueles que trabalham dignamente neste país tivessem a liberdade de ir e vir. Por isso, parabéns, sim, Lula!

Parabéns, sim, Lula, porque o programa do PT é aquele que mais se aproxima do programa do PDT, o qual tem por objetivo, antes de qualquer coisa, dar educação para o povo. Sabemos que ao lado da alimentação e da saúde, a educação é primordial para um povo, pois, de posse do saber, o homem tem armas para lutar pelos seus direitos e, certamente, é isso que amedronta a classe dominante e anti-brizolista. Aqueles que, hoje, comparam o Brasil com o Leste Europeu, esquecem de dizer que o se o brasileiro tivesse a oportunidade de pular um muro ou fugir para outro país, com certeza, ele não conseguiria, porque iria morrer de fome no caminho. Por isso, parabéns, sim, Lula! Vamos ajudar este povo a pular tantos muros. (Renato Ferreira)

Parabéns sim Lula foto


Voltando à atualidade sobre Lula e o Brasil

Portanto, como você notou, nada mudou no Brasil de 1989 até hoje. Ou melhor, mudou sim, para pior, e também mudaram os rumos e ideologias de políticos como o Lula.

Depois de várias tentativas, em 2002, o ex-torneiro mecânico chegou ao poder e, em vez de procurar lutar contra a corrupção, como berrava nos palanques, se aliou aos corruptos criticados por ele, como o próprio Collor, José Sarney, Renan Calheiros e Paulo Maluf.

No campo da saúde e educação nada mudou nesses longos 30 anos. E na segurança pública piorou muito. Hoje, temos mais de 60 mil assassinatos por ano, número muito maior em relação aos homicídios de 1989.

Hoje, portanto, decepcionado, eu não falaria mais "Parabéns, sim, Lula". Talvez, com orgulho, diria: "Parabéns, Sérgio Moro!

 

Em tempo

Na época, recebi vários elogios pela publicação desse artigo, inclusive, do Reitor de uma Faculdade de Sorocaba, mas, também quase perdi o emprego de repórter no Jornal de Piracicaba, que era engajado na campanha de Fernando Collor de Mello. Quem salvou a mnha pele e o meu emprego no JP, foi o nosso querido colega, então, editor de Política do Jornal, Mário Evangelista, que atualmente trabalha no Litoral de São Paulo.

000

About Author

Related items

  • Lava Jato em SP denuncia Lula por lavagem de dinheiro em negócio na Guiné Equatorial
    Ex-presidente supostamente recebeu R$ 1 milhão disfarçado de doação por intermediar negócios de empresa no país africano, diz MPF; Instituto Lula diz que doações são legais; defesa afirma que denúncia 'é mais um duro golpe no Estado de Direito'
    A Força Tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo denunciou nesta segunda-feira (26) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pelo crime de lavagem de dinheiro por supostamente ter recebido R$ 1 milhão para intermediar discussões entre o governo de Guiné Equatorial e o grupo brasileiro ARG para a instalação da empresa no país.
    Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Lula recebeu a quantia dissimulada em forma de uma doação da empresa ao Instituto Lula, entre setembro de 2011 e junho de 2012.
    O advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, afirma em nota que a nova denúncia “é mais um duro golpe no Estado de Direito porque subverte a lei e os fatos para fabricar uma acusação e dar continuidade a uma perseguição política sem precedentes pela via judicial” (leia mais abaixo).
    Em nota, a assessoria de imprensa do Instituto Lula afirma que todas as doações recebidas por ela "são legais, declaradas, registradas, pagaram os impostos devidos". Ainda de acordo com o comunicado, as doações "foram usadas nas atividades fim do Instituto e nunca tiveram nenhum tipo de contrapartida".
    Lula está preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná, condenado a 12 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção no caso do triplex no Guarujá (SP).
    Além de Lula, o MPF denunciou ainda o controlador do grupo ARG, Rodolfo Giannetti Geo, pelos crimes de tráfico de influência em transação comercial internacional e lavagem de dinheiro. Como Lula tem mais de 70 anos, o crime de tráfico de influência prescreveu em relação a ele.
    As negociações começaram entre setembro e outubro de 2011. Segundo o MPF, Geo pediu a Lula para que interviesse junto ao presidente da Guiné Equatorial, Obiang Nguema Mbasogo, para que o governo continuasse realizando transações comerciais com a ARG, especialmente na construção de rodovias.
    Provas
    O MPF dizer que conseguiu provar a transação com base em e-mails encontrados em computadores no Instituto Lula, apreendidos em março de 2016 na Operação Aletheia, 24ª fase da Operação Lava Jato de Curitiba.
    Em e-mail de 5 de outubro de 2011, o ex-ministro do Desenvolvimento do governo Lula Miguel Jorge, escreveu para Clara Ant, diretora do Instituto Lula, que o ex-presidente havia dito a ele que gostaria de falar com Geo sobre o trabalho da empresa na Guiné Equatorial. Segundo o ex-ministro informava no e-mail, a empresa estava disposta a fazer uma contribuição financeira “bastante importante” ao Instituto Lula.
    Em maio de 2012, Geo encaminhou a Clara Ant por e-mail uma carta digitalizada de Teodoro Obiang para Lula e pede para que seja agendada uma data para encontrar o ex-presidente e lhe entregar a original. Também informa à diretora do instituto que voltaria à Guiné Equatorial em 20 de maio e que gostaria de levar a resposta de Lula.
    Lula escreveu uma carta a Obiang em que mencionava um telefonema entre ambos e que acreditava que o país poderia ingressar, futuramente, na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. A carta foi entregue em mãos ao presidente da Guiné Equatorial por Rodolfo Geo.
    Na carta, Lula diz a Obiang que Geo dirige a Arg, “empresa que já desde 2007 se familiarizou com a Guiné Equatorial, destacando-se na construção de estradas”.
    Na análise dos dados apreendidos no Instituto Lula foi localizado registro da transferência bancária de R$ 1 milhão pela ARG ao instituto em 18 de junho de 2016. Recibo emitido pela instituição na mesma data e também apreendido registra a “doação”.
    Para o MPF, não se trata de doação, mas pagamento de vantagem a Lula em virtude do ex-presidente do Brasil ter influenciado o presidente de outro país no exercício de sua função. Como a doação feita pela ARG seria um pagamento, o registro do valor como uma doação é ideologicamente falso e trata-se apenas de uma dissimulação da origem do dinheiro ilícito, e, portanto, configura crime de lavagem de dinheiro.
    Um dos sócios do grupo, pai do denunciado, Adolfo Geo morreu em um acidente de avião nesta segunda-feira em Minas Gerais. Adolfo não tinha sido denunciado.
    O caso envolvendo o Instituto Lula foi remetido à Justiça Federal de São Paulo por ordem do então titular da Operação Lava Jato, Sergio Moro. O inquérito tramita na 2ª Vara Federal de São Paulo, especializada em crimes financeiros e lavagem de dinheiro, que analisará a denúncia do MPF.
    *Na foto: O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente da Guiné Equatorial, Obiang Nguema Mbasogo, posam em cumprimento durante visita de Lula a Malabo, capital da Guiné, em julho de 2010 — Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República via AFP
    Defesa de Lula
    Segundo a defesa de Lula, a nova denúncia “é mais um capítulo do ‘lawfare’ que vem sendo imposto a Lula desde 2016”. “A denúncia pretendeu, de forma absurda e injurídica, transformar uma doação recebida de uma empresa privada pelo Instituto Lula, devidamente contabilizada e declarada às autoridades, em tráfico internacional de influência (CP, art. 337-C) e lavagem de dinheiro (Lei n. 9.613/98, art 1º. VIII)”, disse Zanim Martins.
    “A acusação foi construída com base na retórica, sem apoio em qualquer conduta específica praticada pelo ex-presidente Lula, que sequer teve a oportunidade de prestar qualquer esclarecimento sobre a versão da denúncia antes do espetáculo que mais uma vez acompanha uma iniciativa do Ministério Público – aniquilando as garantias constitucionais da presunção de inocência e do devido processo legal”, acrescentou.
    O advogado finaliza a nota dizendo esperar que “a Justiça Federal de São Paulo rejeite a denúncia diante da manifesta ausência de justa causa para a abertura de uma nova ação penal frívola contra Lula”.
    Comprovante de doação deito pela ARG para o Instituto Lula — Foto: Reprodução/MPF Comprovante de doação deito pela ARG para o Instituto Lula — Foto: Reprodução/MPF
    Comprovante de doação deito pela ARG para o Instituto Lula — Foto: Reprodução/MPF
    Delegação investigada
    Outro caso envolvendo a Guiné Equatorial ocorreu em setembro. No dia 14 daquele mês, agentes da Receita Federal e da Polícia Federal (PF) apreenderam US$ 1,4 milhão e R$ 55 mil em dinheiro, e cerca de 20 relógios avaliados em US$ 15 milhões com membros de uma comitiva do país no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. O vice-presidente do país, Teodoro Obiang Mang, estava no voo.
    Conhecido como Teodorín, ele é o filho mais velho do presidente da Guiné Equatorial. A PF quer descobrir com quem a comitiva iria se encontrar durante estada no Brasil. A fortuna estava em duas malas não diplomáticas da delegação.
    Em depoimento à Polícia Federal, o secretário da Embaixada da Guiné Equatorial, Leminio Akuben Mikue, explicou que o vice-presidente veio ao Brasil para tratamento médico, e que o US$ 1,4 milhão em uma das malas seria utilizado em missão oficial posterior, com destino a Singapura. Sobre os relógios, o secretário informou que seriam de uso pessoal de Teodoro Obiang Mang. (G1)
  • Lula, Dilma, Palocci e Mantega viram réus em ação penal

    Ministério Público aponta indícios de que Lula era 'grande idealizador' da suposta organização criminosa

     

    BRASÍLIA – O juiz Vallisney Oliveira , da Justiça Federal no Distrito Federal, abriu nesta sexta-feira ação penal contra os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, bem como os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto . A denúncia foi recebida e os cinco agora são réus. Na denúncia, o Ministério Público apontou indícios de que Lula era “grande idealizador” da suposta organização criminosa.

    Os réus serão notificados para apresentar respostas à acusação, por escrito, em até 15 dias. Nessas manifestações, os investigados poderão apresentar provas e uma lista de testemunhas a serem interrogadas.

    O inquérito foi originalmente aberto no Supremo Tribunal Federal (STF), porque também foram apresentados indícios contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que tem direito ao foro privilegiado. Mas o relator, ministros Edson Fachin, fatiou as investigações, enviando para a primeira instância do Judiciário os outros investigados pelo mesmo fato. Além de Gleisi, ficou no STF o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, por conexão das provas apresentadas contra o casal.

    O ex-ministro Edinho Silva também estava no mesmo inquérito, mas a parte referente a ele foi remetida para o Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região. Por ser prefeito de Araraquara (SP), ele tem foro no TRF.

    Janot denunciou o grupo em setembro de 2016 por organização criminosa. O valor da propina recebida pelo grupo, segundo a PGR, chegou a R$ 1,485 bilhão. O procurador-geral apontou Lula como líder e “grande idealizador” da organização criminosa, devendo inclusive ser condenado a uma pena maior por isso. O grupo teria atuado de 2002, quando Lula venceu a eleição presidencial, a maio de 2016, quando Dilma deixou interinamente o cargo de presidente em razão do processo de impeachment no Congresso.

    Segundo a acusação, os réus integravam organização criminosa como integrantes do PT e por meio de condutas ligadas ao exercício dos mandatos que detinham na época. O Ministério Público narra que foram cometidos diversos crimes contra a administração pública, como corrupção e lavagem de dinheiro, no Ministério de Minas e Energia, Petrobrás e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). As ilegalidades teriam ocorrido com a ajuda das construtoras Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS e UTC.

    Na semana passada, a Segunda Turma do STF decidiu manter na Justiça Federal de Brasília o processo que investiga os cinco petistas. Por unanimidade, os ministros negaram o recurso de Lula que pedia para o processo ser devolvido para a Corte. Negou também pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para transferir o caso para a Justiça Federal de Curitiba.(G1)

  • LAVA JATO: ‘Nunca foi tão fácil ser ladrão neste País’, diz Lula em depoimento

    Visivelmente nervoso, em vários momentos o ex-presidente petista tentou tumultuar a audiência e foi repreendido pela juíza que substituiu Sergio Moro

     

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse à juíza Gabriela Hardt nesta quarta-feira, 14, que “nunca foi tão fácil ser ladrão nesse País”. Ele foi interrogado por três horas na ação penal em que é réu no caso do sítio de Atibaia, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Lula se exaltou-quando questionado sobre propinas pagas no âmbito de contratos da Petrobras e a criação de um suposto “caixa-geral” do PT, que teria sido administrado pelo ex-tesoureiro da legenda João Vaccari, preso na Operação Lava Jato desde abril de 2015.

    Essa foi a primeira vez que eLula deixou a carceragem desde que foi preso, em abril. O interrogatório aconteceu na sede da Justiça Federal no Paraná, em Curitiba, e durou cerca de duas horas e meia. Mesmo com as delações premiadas e testemunhas afirmarem que Lula sabia das reformas no sítio, Lula nega sua participou. Ele disse que sabia de nada e que quem o acusa não está falando a verdade.

    Por volta das 18h, o petista foi levado de volta à sede da Polícia Federal, onde cumpre pena pela condenação no caso do tríplex, também da Lava Jato. Ele foi encaminhado sob escolta policial e, durante o trajeto, ouviu gritos de manifestantes contrários e a favor de sua prisão.

    Algumas lideranças do partido, entre elas o candidato derrotado à presidência Fernando Haddad e a presidente da sigla Gleisi Hoffmann, estiveram presentes nos entornos da Polícia Federal.

    Neste processo, Lula é investigado por supostamente ter recebido R$ 1 milhão em propina da Odebrecht, da OAS e do pecuarista José Carlos Bumlai nas obras realizadas no sítio. (Fonte: Isto É e Jovem Pan)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.