Sexta, 24 Maio 2019 | Login
MAIS MÉDICOS:  Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil

MAIS MÉDICOS: Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil Featured

Para retaliar o governo Bolsonaro, Cuba rompe com o Programa Mais Médicos e retira 8 mil profissionais que trabalhavam no Brasil. Há três anos, conversei com dois médicos cubanos na cidade de Osasco. Uma médica chegou a chorar de saudades dos filhos deixados em Cuba
 
 
 
Renato Ferreira -
Dos mais de 18 mil médicos que trabalham no Programa Mais Médico, cerca de 8 mil são cubanos, que, agora, terão que deixar o Brasil por imposição do governo de Cuba, que não concorda com as imposições prometidas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Desde 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência e que eram cerca de 11.400 médicos da Ilha, que Cuba já vinha diminuindo a presença de seus profissionais no Brasil.
Agora, com a eleição de Bolsonaro, o governo de Cuba, que sempre teve o apoio e apoiou o Partido dos Trabalhadores, resolveu radicalizar, talvez, pensando que com isso, possa prejudicar o próximo governo no Brasil, que derrotou o candidato petista, apoiado por Lula, Fernando Haddad. O anúncio do governo cubano foi feito nesta quarta-feira, 14/11, alegando que tomou a medida por não concordar com as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro.
Trabalho sem estrutura
Como todos sabem, o Programa Mais Médicos foi criado pelo Ministério da Saúde, no Governo Dilma Roussef com objetivo de oferecer serviços médicos às mais distantes regiões do Brasil, onde, a Pasta tinha dificuldades para levar médicos brasileiros, que não aceitam trabalhar em cidades e lugarejos sem nenhuma estrutura. Com o Mais Médicos, o Ministério conseguiu atrair médicos de outros países para trabalhar em tais regiões, mesmo sem a infraestrutura exigida por seus colegas brasileiros.
Desde o início, o Programa recebeu elogios e críticas, justamente, porque atendia a reivindicação da população carente, mas, também, por ser apenas mais uma paliativa, já que esses médicos não tinham condições plenas de dar um atendimento adequado, principalmente, para casos mais graves dos pacientes.
E como já foi esclarecido também, o Programa não é composto apenas de médicos cubanos. Dele, fazem partes médicos de outros países da América do Sul e também da Europa, como da Espanha. Pelo Programa atual, os médicos de Cuba são também dispensados de passar por exame de revalidação no Brasil. Houve alguns registros de pacientes reclamando do atendimento de profissionais cubanos.
Médicos sem liberdade
 Médica cubana
Médica cubana trabalhando em condições precárias em regiões pobres do Brasil
 
E o contrato com os médicos de Cuba é diferente em relação aos de outros países. Por ter um programa pelo qual envia médicos a regiões pobres e de conflitos, Cuba exige que seja um contrato coletivo. No caso do Brasil, o Ministério pagava um salário em torno de R$ 13 mil a cada profissional e mais um valor para pagamento de aluguel.. Só que desse valor, o médico ficava apenas com 30%. Os outros 70% eram enviados diretamente para o governo cubano.
Outro detalhe. O governo de Cuba não permite também que o profissional - médico ou médica - traga os seus familiares. Enquanto o médico presta serviço aqui, sua esposa e filhos têm que permanecer em Cuba. Para muitos, isso é um novo tipo de trabalho escravo.
Esse fato, inclusive, gera muitas deserções. Daqui mesmo do Brasil, muitos médicos fugiram para os Estados Unidos, onde pediam asilo para depois tentar levar seus familiares. E nem é necessário dizer que eles compravam uma briga com o regime cubano.
 
Milhares de médicos cubanos trabalham no exterior sob contrato com as autoridades cubanas. Países como o Brasil pagam ao governo comunista da ilha milhões de dólares por mês para fornecer serviços médicos, o que efetivamente torna esses profissionais o mais valioso produto de exportação de Cuba.

Em 2017, algums médicos de Cuba abriram processo contra o Governo da Ilha para tentar reverter esse quadro. "Quando você sai de Cuba pela primeira vez, descobre muitas coisas que não sabia", disse Yaili Jiménez Gutierrez, uma das médicas que moveu a ação. "Chega uma hora em que você se cansa de ser escravo."... -

Como jornalista da Prefeitura de Osasco, há três anos, cheguei a entrevistar dois médicos cubanos - um homem e uma mulher - que tinham acabado de chegar prestar seus serviços nesta cidade da região Oeste da Grande São Paulo. Muito atenciosos, eles falaram sobre o serviço no Brasil, mas, em off, reclamaram também das condições impostas pelo governo de Cuba, não somente em relação ao salário, mas, principalmente, sobre a proibição de não poder trazer os familiares.
A médica chegou a chorar de saudade dos filhos, deixados há poucos dias na Ilha. Outra reclamação foi sobre o valor destinado ao aluguel de imóvel. "Com esse valor, está difícil para arrumar uma casa mais próximo à unidade onde trabalho", disse o médico.
Propostas de Bolsonaro
Bolsonaro
Presidente eleito do Brasl, Jair Bolsonaro
 
E quais são as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro para continuar contratando médicos cubanos?
O presidente eleito informou que não concordava com as condições de trabalho oferecidas aos profissionais de Cuba. Então, sugeriu que para continuar no Programa, que eles pudessem trazer seus familiares e também que o salário ficasse integramente com os médicos.
Outra medida seria que todos eles tivessem seus diplomas revalidados pelo Ministério da Saúde do Brasil, conforme é exigido de outros e de brasileiros formados no Exterior. Nada mais justo, tanto para a segurança da população brasileira, como também para os médicos cubanos. Só que o governo de Cuba não concordou e rompeu com o Mais Médicos.
Soluções
 Ministério da Saúde
 
Para tranquilizar as cidades atendidas pelos médicos cubanos, o Ministério da Saúde informou que nesta semana mesmo que vai assinar um Edital para selecionar médicos brasileiros e de outros países que tenham interesse em ocupar as vagas deixadas pelos profissionais cubanos.
“Diante do fato, o governo federal está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba. A iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior”, diz nota..
O Ministério da Saúde informou também já vinha tomando medidas no sentido de levar médicos brasileiros para o Mais Médicos. Nesse sentido, explicou que outras medidas para ampliar a participação de brasileiros vinham sendo estudadas, como a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil). “Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo.”
Asilo político
Pelo Twitter, Jair Bolsonaro informou também nesta quarta-feira, que dará asilo aos médicos cubanos que desejarem permanecer no Brasil.
Bolsonaro lembrou que o governo petista, para agradar Cuba, chegou a ameaçar de expulsão médicos cubanos que pedissem asilo político ao Brasil. "Não podemos concordar com isso. E vamos abrigar e dar asilo àqueles que não queiram retornar ao seu país de origem", disse o presidente eleito.
 
Tito pela culatra
Ou seja, se Cuba pensa que poderia desarticular o próximo governo do Brasil retirando seus médicos daqui, com a proposta de asilo político, Bolsonaro pode ter dado o troco com uma rasteira no governo cubano. Pelo Programa Mais Medicos, O Braasil gasta, por mês, R$ 95.984.640,00 com os cubanos. Só que desse montante todo, R$ 70.988.640,00 ficam para o governo cubano, hoje, comandado pelo presidente Miguel Díaz-Canel. São cerca de R$ 850 milhões por ano.
Com a proposta de Bolsonaro, além de perdere essa montanha de dinheiro brasileiro, a Ilha dos irmãos Castro, ainda pode passar pelo vexame de ver muitos de seus médicos pedindo para ficar no Brasil. (Renato Ferreira com informações do Ministério da Saúde e Agências)

 
000

About Author

Related items

  • POLÍTICA: Será que o Alckmin queria ter levado a facada?

     

    O tucano Geraldo Alckmin, candidato à Presidência em 2018, que levou uma surra na eleição, atribuiu sua derrota à facada que Bolsonaro levou.

    “Eu estava subindo e ele, caindo. Só no dia da facada, ele teve 22 minutos de Jornal Nacional”, disse Alckmin, durante debate na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, em São Paulo. (Com a informação: Folha de São Paulo e O Antagonista)

  • PERSONALIDADE DO ANO: Bolsonaro recebe prêmio no Texas e diz que Brasil é amigo dos Estados Unidos
    O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quinta-feira, 16/05, em Dallas, no Texas, o prêmio de Personalidade do Ano da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. O evento foi realizado durante almoço oferecido pelo World Affairs Council (Conselho de Assuntos Mundiais, em tradução livre) de Dallas/Fort Worth, e contou com a participação de dezenas de empresários, além de ministros do governo brasileiro.  
    No discurso improvisado de cerca de 13 minutos, o presidente brasileiro ressaltou a aproximação de seu governo com os Estados Unidos, criticou setores de esquerda e governos anteriores e reafirmou que sua eleição foi resultado de um "milagre".
    "Realmente aconteceu o que eu chamo de milagre, no Brasil. Ou melhor, dois milagres. Um, eu agradeço a Deus pela minha sobrevivência. E o outro, pelas mãos de grande parte dos brasileiros, alguns morando aqui nos Estados Unidos, me deram a missão de estar à frente desse grande país, que tem tudo para ocupar um local de destaque no mundo, mas que, infelizmente, por políticas nefastas de gente que tinha ambição pessoal acima de tudo, não nos deixaram ascender", afirmou.
    Bolsonaro disse que, no começo, até dentro de casa havia dúvidas sobre sua ambição que, segundo ele, nunca foi pessoal. "Com verdade, comecei andando sozinho por todo o Brasil. Às vezes, gente da própria casa achava que tinha algo errado comigo, tendo em vista o que eu almejava. Mas não almejava por mim, sabia dos problemas".
    O presidente comparou a situação do Brasil com a de Israel e se colocou com um "ponto de inflexão" para que o país alcance um melhor patamar de desenvolvimento: "Eu sempre dizia nas minhas andanças: olhe o que Israel não tem e veja o que eles são. Agora olhe o que o Brasil tem e o que nós não somos. Onde está o erro? Onde está o ponto de inflexão? E eu me apresentei para ser esse ponto de inflexão", disse.
    Relação com EUA
    Bolsonaro recebe prêmio em Dallas 1
    Dirigindo-se a uma plateia formada basicamente por empresários, Bolsonaro criticou a política de governos anteriores em relação aos Estados Unidos e prometeu maior aproximação: "No Brasil, a política, até há pouco, era de antagonismo a países como os Estados Unidos. Os senhores eram tratados como inimigos nossos. (...) O Brasil de hoje é amigo dos EUA, respeita os EUA, quer o povo americano e os empresários americanos ao nosso lado". O presidente disse estar convicto de que a união e a confiança entre os dois países podem levar à ampliação do comércio e à assinatura de acordos entre os dois governos.
    Venezuela e Argentina
    Jair Bolsonaro voltou a citar a crise na Venezuela, opinou sobre as eleições na Argentina e criticou líderes e partidos de esquerda latino-americanos. "Falou-se há pouco aqui da nossa querida Venezuela. Pobre povo venezuelano está fungindo da violência, da fome e da miséria. Mas não se esqueçam da nossa Argentina, [que] está indo para um caminho bastante complicado, com problemas estruturais em seu país. O meu amigo Macri enfrenta dificuldades e vê crescer a possibilidade de uma presidente última voltar ao poder – essa que era amiga do PT no Brasil, de Chávez, de Maduro, dentre outros, além de Fidel Castro", afirmou Bolsonaro.
    Ele ainda acrescentou que pretende visitar em breve a Argentina, mas negou intromissão em questões internas do país vizinho. "Vamos colaborar no que for possível com aquele país, sem nos imiscuirmos nas questões internas, mas sabedores de que se tivermos uma outra Venezuela no Cone Sul da América do Sul, os problemas são enormes para nós e, com toda certeza, para os senhores".
    Contingenciamento
    Ao citar as manifestações de ontem no Brasil contra o bloqueio orçamentário em universidades públicas, Bolsonaro disse que o Brasil tem um "enorme potencial humano", mas que a imprensa, as escolas e as faculdades sofrem interferência da esquerda.
    "Temos um potencial humano fantástico, mas a esquerda brasileira entrou, infiltrou e tomou não apenas a imprensa, mas em grande parte as universidades e escolas do ensino médio e fundamental", disse. Em outro ponto do discurso, o presidente voltou a citar a mídia, que, segundo ele, não é isenta no Brasil. "Se vocês fossem isentos, já seria um grande sinalizador de que o Brasil poderia sim romper obstáculos e ocupar um local de destaque no mundo".
    Nova York
    Bolsonaro recebe prêmio em Dallas 2
    Anteriormente, a homenagem ao presidente seria entregue em evento em Nova York, mas o governo brasileiro cancelou a agenda na cidade após críticas do prefeito nova iorquino, Bill de Blasio. Ao mencionar o assunto em seu discurso em Dallas, Bolsonaro disse lametar o episódio e que respeita todo o povo norte-americano.
    "Eu lamento muito o ocorrido nos últimos dias, de não poder comparecer em outra cidade. Não posso ir na casa de uma pessoa onde alguém de sua família não me quer bem. Mas o meu amor, meu respeito e minha consideração por todos os Estados Unidos, inclusive os nova-iorquinos, continuarão da mesma forma".  
    O presidente embarcou na noite de terça-feira (14) para uma viagem de dois dias ao Texas. Ontem (15), Bolsonaro se reuniu com o ex-presidente norte-americano George W. Bush e com o senador texano Ted Cruz e visitou o museu The Sixth Floor que apresenta a narrativa do assassinato do presidente americano John F. Kennedy, em Dallas, no ano de 1963. Na manhã de hoje, teve encontros com empresários.
    A comitiva presidencial estará de volta ao Brasil na manhã desta sexta-feira (17). (Agência Brasil - Fotos: Marcos Corrêa e Isac Nóbrega/PR)
  • EM DEFESA DA MULHER: Bolsonaro sanciona mudanças na Lei Maria da Penha
     
    Agora, a nova norma permite, na prática, que o agressor seja imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência, mesmo sem a determinação de um juiz.
    Nesta terça-feira, 14/05,ao lado da Senadora Leila do Vôlei (PSB-DF), e de outras autoridades do Governo e do Congresso, o presidente Jair Bolsonaro sancionou mudanças na Lei Maria da Penha para facilitar a aplicação de medidas protetivas de urgência a mulheres ou a seus dependentes, em casos de violência doméstica ou familiar. A lei sancionada possibilita maior agilidade na tomada de decisão por autoridades da Justiça e da Polícia.
    De acordo com a norma, verificada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da vítima, o agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência com a pessoa ofendida. E essas medidas podem ser tomadas pela polícia sem a necessidade de ordem judicial.
    A medida de afastamento caberá à autoridade judicial; ao delegado de polícia, quando o município não for sede de comarca; ou ao policial, quando o município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
    Além do afastamento imediato, a lei determina que, nos casos de risco à integridade física da ofendida ou à efetividade da medida protetiva de urgência, não será concedida liberdade provisória ao preso. (Fonte: Agências)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.