Segunda, 17 Dezembro 2018 | Login
MAIS MÉDICOS:  Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil

MAIS MÉDICOS: Bolsonaro impõe medidas justas e acaba com a 'escravidão' de médicos cubanos no Brasil Featured

Para retaliar o governo Bolsonaro, Cuba rompe com o Programa Mais Médicos e retira 8 mil profissionais que trabalhavam no Brasil. Há três anos, conversei com dois médicos cubanos na cidade de Osasco. Uma médica chegou a chorar de saudades dos filhos deixados em Cuba
 
 
 
Renato Ferreira -
Dos mais de 18 mil médicos que trabalham no Programa Mais Médico, cerca de 8 mil são cubanos, que, agora, terão que deixar o Brasil por imposição do governo de Cuba, que não concorda com as imposições prometidas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Desde 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência e que eram cerca de 11.400 médicos da Ilha, que Cuba já vinha diminuindo a presença de seus profissionais no Brasil.
Agora, com a eleição de Bolsonaro, o governo de Cuba, que sempre teve o apoio e apoiou o Partido dos Trabalhadores, resolveu radicalizar, talvez, pensando que com isso, possa prejudicar o próximo governo no Brasil, que derrotou o candidato petista, apoiado por Lula, Fernando Haddad. O anúncio do governo cubano foi feito nesta quarta-feira, 14/11, alegando que tomou a medida por não concordar com as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro.
Trabalho sem estrutura
Como todos sabem, o Programa Mais Médicos foi criado pelo Ministério da Saúde, no Governo Dilma Roussef com objetivo de oferecer serviços médicos às mais distantes regiões do Brasil, onde, a Pasta tinha dificuldades para levar médicos brasileiros, que não aceitam trabalhar em cidades e lugarejos sem nenhuma estrutura. Com o Mais Médicos, o Ministério conseguiu atrair médicos de outros países para trabalhar em tais regiões, mesmo sem a infraestrutura exigida por seus colegas brasileiros.
Desde o início, o Programa recebeu elogios e críticas, justamente, porque atendia a reivindicação da população carente, mas, também, por ser apenas mais uma paliativa, já que esses médicos não tinham condições plenas de dar um atendimento adequado, principalmente, para casos mais graves dos pacientes.
E como já foi esclarecido também, o Programa não é composto apenas de médicos cubanos. Dele, fazem partes médicos de outros países da América do Sul e também da Europa, como da Espanha. Pelo Programa atual, os médicos de Cuba são também dispensados de passar por exame de revalidação no Brasil. Houve alguns registros de pacientes reclamando do atendimento de profissionais cubanos.
Médicos sem liberdade
 Médica cubana
Médica cubana trabalhando em condições precárias em regiões pobres do Brasil
 
E o contrato com os médicos de Cuba é diferente em relação aos de outros países. Por ter um programa pelo qual envia médicos a regiões pobres e de conflitos, Cuba exige que seja um contrato coletivo. No caso do Brasil, o Ministério pagava um salário em torno de R$ 13 mil a cada profissional e mais um valor para pagamento de aluguel.. Só que desse valor, o médico ficava apenas com 30%. Os outros 70% eram enviados diretamente para o governo cubano.
Outro detalhe. O governo de Cuba não permite também que o profissional - médico ou médica - traga os seus familiares. Enquanto o médico presta serviço aqui, sua esposa e filhos têm que permanecer em Cuba. Para muitos, isso é um novo tipo de trabalho escravo.
Esse fato, inclusive, gera muitas deserções. Daqui mesmo do Brasil, muitos médicos fugiram para os Estados Unidos, onde pediam asilo para depois tentar levar seus familiares. E nem é necessário dizer que eles compravam uma briga com o regime cubano.
 
Milhares de médicos cubanos trabalham no exterior sob contrato com as autoridades cubanas. Países como o Brasil pagam ao governo comunista da ilha milhões de dólares por mês para fornecer serviços médicos, o que efetivamente torna esses profissionais o mais valioso produto de exportação de Cuba.

Em 2017, algums médicos de Cuba abriram processo contra o Governo da Ilha para tentar reverter esse quadro. "Quando você sai de Cuba pela primeira vez, descobre muitas coisas que não sabia", disse Yaili Jiménez Gutierrez, uma das médicas que moveu a ação. "Chega uma hora em que você se cansa de ser escravo."... -

Como jornalista da Prefeitura de Osasco, há três anos, cheguei a entrevistar dois médicos cubanos - um homem e uma mulher - que tinham acabado de chegar prestar seus serviços nesta cidade da região Oeste da Grande São Paulo. Muito atenciosos, eles falaram sobre o serviço no Brasil, mas, em off, reclamaram também das condições impostas pelo governo de Cuba, não somente em relação ao salário, mas, principalmente, sobre a proibição de não poder trazer os familiares.
A médica chegou a chorar de saudade dos filhos, deixados há poucos dias na Ilha. Outra reclamação foi sobre o valor destinado ao aluguel de imóvel. "Com esse valor, está difícil para arrumar uma casa mais próximo à unidade onde trabalho", disse o médico.
Propostas de Bolsonaro
Bolsonaro
Presidente eleito do Brasl, Jair Bolsonaro
 
E quais são as medidas anunciadas por Jair Bolsonaro para continuar contratando médicos cubanos?
O presidente eleito informou que não concordava com as condições de trabalho oferecidas aos profissionais de Cuba. Então, sugeriu que para continuar no Programa, que eles pudessem trazer seus familiares e também que o salário ficasse integramente com os médicos.
Outra medida seria que todos eles tivessem seus diplomas revalidados pelo Ministério da Saúde do Brasil, conforme é exigido de outros e de brasileiros formados no Exterior. Nada mais justo, tanto para a segurança da população brasileira, como também para os médicos cubanos. Só que o governo de Cuba não concordou e rompeu com o Mais Médicos.
Soluções
 Ministério da Saúde
 
Para tranquilizar as cidades atendidas pelos médicos cubanos, o Ministério da Saúde informou que nesta semana mesmo que vai assinar um Edital para selecionar médicos brasileiros e de outros países que tenham interesse em ocupar as vagas deixadas pelos profissionais cubanos.
“Diante do fato, o governo federal está adotando todas as medidas para garantir a assistência dos brasileiros atendidos pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba. A iniciativa imediata será a convocação nos próximos dias de um edital para médicos que queiram ocupar as vagas que serão deixadas pelos profissionais cubanos. Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no exterior”, diz nota..
O Ministério da Saúde informou também já vinha tomando medidas no sentido de levar médicos brasileiros para o Mais Médicos. Nesse sentido, explicou que outras medidas para ampliar a participação de brasileiros vinham sendo estudadas, como a negociação com os alunos formados através do FIES (Programa de Financiamento Estudantil). “Essas ações poderão ser adotadas, conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo.”
Asilo político
Pelo Twitter, Jair Bolsonaro informou também nesta quarta-feira, que dará asilo aos médicos cubanos que desejarem permanecer no Brasil.
Bolsonaro lembrou que o governo petista, para agradar Cuba, chegou a ameaçar de expulsão médicos cubanos que pedissem asilo político ao Brasil. "Não podemos concordar com isso. E vamos abrigar e dar asilo àqueles que não queiram retornar ao seu país de origem", disse o presidente eleito.
 
Tito pela culatra
Ou seja, se Cuba pensa que poderia desarticular o próximo governo do Brasil retirando seus médicos daqui, com a proposta de asilo político, Bolsonaro pode ter dado o troco com uma rasteira no governo cubano. Pelo Programa Mais Medicos, O Braasil gasta, por mês, R$ 95.984.640,00 com os cubanos. Só que desse montante todo, R$ 70.988.640,00 ficam para o governo cubano, hoje, comandado pelo presidente Miguel Díaz-Canel. São cerca de R$ 850 milhões por ano.
Com a proposta de Bolsonaro, além de perdere essa montanha de dinheiro brasileiro, a Ilha dos irmãos Castro, ainda pode passar pelo vexame de ver muitos de seus médicos pedindo para ficar no Brasil. (Renato Ferreira com informações do Ministério da Saúde e Agências)

 
000

About Author

Related items

  • CNI/Ibope: para 75% dos brasileiros, Bolsonaro está no caminho certo
    Presidente eleito já incia mandato com uma excelente popularidade. Além de confirmar o resultado das urnas, levantamento desmonta também as pesquisas na reta final da campanha que indicavam derrota de Bolsonaro no segundo turno. Dos entrevistados, 64% têm expectativa de que o governo Bolsonaro será ótimo ou bom
     
    Conforme pesquisa CNI-Ibope, divulgada nesta quinta-feira, 13/11, 75% dos brasileiros – três em cada quatro – acreditam que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, e sua equipe estão no caminho certo em relação às decisões tomadas até o momento. De acordo com o estudo, 14% acham que Bolsonaro está no caminho errado e 11% não sabem ou não responderam à pergunta.
    Os números mostram que, quanto maior a renda familiar, maior o percentual dos que acreditam que o presidente eleito está no caminho certo. O índice é de 70% entre aqueles com renda familiar de até um salário mínimo e chega a 82% entre os que têm renda familiar superior a cinco salários mínimos.
    Entre os brasileiros ouvidos, 64% têm expectativa de que o governo Bolsonaro será ótimo ou bom.
    Prioridades
    Para 41% e 40% dos entrevistados, respectivamente, melhorar os serviços de saúde e promover geração de empregos devem ser as prioridades do governo para 2019. Em seguida, aparecem combater a corrupção e combater a violência e a criminalidade, ambos com 36%, e melhorar a qualidade da educação, apontada por 33%.
    Melhorias
    O levantamento mostra que dois em cada três brasileiros acreditam que a situação econômica do país vai melhorar em 2019, enquanto parcela similar espera que a própria vida vai melhorar ou melhorar muito no próximo ano.
    Cerca de quatro em cada dez brasileiros (43%) acreditam que a segurança pública está entre os principais problemas que vão melhorar no primeiro ano de governo do presidente eleito. Em seguida, aparecem a corrupção (37%) e o desemprego (36%).
    Equipe de governo
    A pesquisa mostra que a maioria dos brasileiros ouvidos aprova as indicações para compor a equipe de Bolsonaro, bem como as medidas que vêm sendo anunciadas pela equipe.
    Entre os entrevistados, 80% se dizem pelo menos um pouco informados sobre as indicações do presidente eleito para os cargos de primeiro escalão do governo – ministros e colaboradores da equipe de transição. Desses, 55% consideram as indicações adequadas ou muito adequadas.
    Pouco mais de oito em cada dez se dizem informados, em alguma profundidade, sobre as propostas já anunciadas pelo presidente eleito. Entre eles, 75% afirmam aprovar de forma geral as propostas. O percentual de aprovação cresce de acordo com o grau de informação que o entrevistado diz ter sobre o novo governo.
    A pesquisa foi feita entre 29 de novembro e 2 de dezembro e ouviu 2 mil eleitores de 127 municípios. A margem de erro máxima estimada é de 2 pontos percentuais, e o nível de confiança é de 95%. (Agência Brasil)
  • CONTAGEM REGRESSIVA: Para refrescar a mente dos antis, derrotados e inconformados da fajuta esquerda brasileira

     

    Para aqueles que pensam que os eleitores de Bolsonaro estão preocupados com o relatório do COAF, onde aparecem também políticos do PT, PSOL, PSDB, MDB e outros, informamos que, após a diplomação do presidente eleito pela maioria dos brasileiros, vem aí a posse do novo Presidente do Brasil, JAIR BOLSONARO.

    Coloquem em suas agendas: 01 de janeiro de 2019, em Brasília.

    Ah...e esse ato do mais alto comando da República contará com a presença de vários e importantes líderes mundiais, presidentes e primeiros-ministros de grandes, desenvolvidas e democráticas Nações que mantêm relações diplomáticas com o Brasil. Será mais um dia de festa da Democracia Brasileira.

    brasil verde e amarelo

    Avante, BRASIL VERDE E AMARELO!

  • BRASILEIRÃO: Bolsonaro vai ao Allianz Parque e entrega taça de campeão
    Time paulista conquistou o seu décimo título da competição nacional com uma rodada de antecedência
     
    O Presidente eleito Jair Bolsonaro acompanhou na tarde de hoje (2), no estádio Allianz Parque, a partida entre Palmeiras e Vitória, da Bahia, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. O time alviverde venceu por 3 a 2 e recebeu taça do seu décimo título brasileiro, conquistado com uma rodada antecedência. Vestindo camisa do time paulista, Bolsonaro, que é palmeirense, assistiu à partida no camarote da diretoria do Verdão e, ao final do jogo, desceu ao gramado onde entregou as medalhas aos jogadores e ao técnico Felipão, além da taça de campeão ao capitão Bruno Henrique. Bolsonaro voltou hoje mesmo para o Rio de Janeiro.
    Bolsonaro no Allianz Parque
    No gramado do Allianz Parque, Bolsonaro ergue a taça de Campeão Brasileiro conquistada pelo seu time de coração
     
    Bolsonaro desembarcou às 13h40 no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, vindo em um voo comercial do Rio de Janeiro. Ele posou para fotos com a camisa do time e deixou o aeroporto às 14h25, sem passar pelo saguão de passageiros ou falar com a imprensa que o aguardava do lado de fora em direção ao estádio. No vôo, ele tirou foto também com os passageiros. O carro com Bolsonaro foi escoltado por 14 motos da Polícia Militar e viaturas da Tropa de Choque até o estádio.
    Nos primeiros minutos do jogo, iniciado às 17h, o presidente eleito publicou uma mensagem e vídeo no Twitter, em que parabenizou o Palmeiras pela conquista do título antecipadamente. "Parabéns ao @Palmeiras pelo título brasileiro. O futebol é muito mais que torcer para um time, é um estado de espírito totalmente identificado com o brasileiro. É sempre bacana fazer parte desta festa! Um abraço a todos e obrigado pelo carinho!", postou.
     No Twitter
    @jairbolsonaro
    Parabéns ao @Palmeiras pelo título brasileiro. O futebol é muito mais que torcer para um time, é um estado de espírito totalmente identificado com o brasileiro. É sempre bacana fazer parte desta festa! Um abraço a todos e obrigado pelo carinho!
    Bolsonaro no Allianz Parque com a conselheira
    A conselheira do Palmeiras e presidente da Crefisa (patrocionadora do time), Leila Pereira, também postou no Twitter uma foto com Bolsonaro. “Vejam só quem está por aqui. Bolsonaro é o primeiro Presidente a acompanhar o jogo do Verdão no Allianz Parque. Foi uma honra colocar nossa faixa de Decacampeão em nosso Presidente Jair Bolsonaro”, escreveu.
    Perguntado ontem (2) sobre seu palpite, o presidente eleito havia apostado em 2 x 0 para o Palmeiras.
    Semana do presidente eleito
    Bolsonaro retorna a Brasília nesta terça-feira (4) para dar continuidade às reuniões do governo de transição e a montagem da equipe ministerial. Nesta semana, estão previstas reuniões do presidente eleito com as bancadas do MDB, PRB, PR e PSDB, junto com o ministro extraordinário da transição e futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.
    O presidente eleito espera decidir o nome que ocupará o Ministério do Meio Ambiente nesta semana. "[Nossa agenda] Continua. A gente espera que se resolva a questão do Ministério do Meio Ambiente. E, daí, fechou a questão", respondeu Bolsonaro a uma repórter na entrada do avião em que embarcou para São Paulo. Até agora, 20 ministros já foram escolhidos.
    Na semana passada, ele havia adiantado que há "meia dúzia" de nomes sendo avaliados para a pasta.
    Bolsonaro ficará na capital federal até quinta-feira (6), quando voltará no fim do dia para o Rio de Janeiro. (Agência Brasil)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.