Sexta, 15 Novembro 2019 | Login
POLÍTICA: Congresso aprova a maior reforma da Previdência do país

POLÍTICA: Congresso aprova a maior reforma da Previdência do país Featured

Depois de 20 anos e cinco presidentes, Parlamento aprova proposta do Governo Bolsonaro, que resgata a capacidade de investimentos interno e externo. Dólar cai e Bolsa de Valores tem novo recorde.
 
Na tarde desta terça-feira, 22/10, após pouco mais de três horas de discussão, o Plenário do Senado aprovou o texto-base da reforma da Previdência em segundo turno. A Nova Previdência, proposta de emenda à Constituição (PEC), enviada pelo Governo, que já havia sido aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados, foi aprovada no Senado por 60 votos contra 19.
“O Senado enfrentou neste ano uma das matérias mais difíceis para a nação brasileira”, disse o presidente da Casa, Davi Alcolumbre ao encerrar a votação. “Todos os senadores e senadoras se envolveram pessoalmente nas discussões e aperfeiçoaram esta matéria, corrigindo alguns equívocos e fazendo justiça social com quem mais precisa.”
O texto necessitava de 49 votos para ser aprovado, o equivalente a três quintos do Senado mais um parlamentar. Dentre outros pontos, a PEC define idade mínima de aposentadoria para homens, 65 anos, e mulheres, 62 anos.
Agora, a reforma da Previdência sera promulgada em sessão conjunta do Congresso Nacional, entre deputados e senadores. Alcolumbre deve convocar essa sessão conjunta após o retorno ao país do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que está em viagem ao Reino Unido, e também presidente da República, Jair Bolsonaro, que se encontra em viagem à Ásia e Oriente Médio. o entanto, para promulgar a PEC, Alcolumbre deve esperar o retorno do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que está em viagem ao Reino Unido e à Irlanda, e também do presidente Jair Bolsonaro, que está na Ásia.
Economia
A proposta do Governo prevê uma economia em torno de R$ 1,16 trilhão em 10 anos. De acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, o impacto da PEC nos primeiros quatro anos será de R$ 168 bilhões.
Mercado reage com euforia
Durante mais de 20 anos, cinco presidentes tentaram ou, pelo menos, acenaram com a possibilidade da fazer essa reforma, mas, não conseguiram. E sem dúvida, o déficit previdenciário era um dos gargalos que mais atravancava a economia brasileira. E a prova de que a confiança de investidores no país após a aprovação dessa PEC, foi a reação positiva do mercado.
O dólar teve a maior queda em quase dois meses, e a bolsa de valores voltou a bater recorde. O dólar comercial fechou esta terça-feira (22) vendido a R$ 4,076. Esse foi o maior recuo para um dia desde 4 de setembro, quando a divisa tinha caído 1,79%.
No mercado de ações, o dia foi de euforia. Depois de bater recorde ontem (21), o índice Ibovespa, da B3 (antiga Bolsa de Valores de São Paulo), encerrou o dia aos 107.381 pontos, com alta de 1,28%.
E além da aprovação da PEC da Previdência, o país recebe também bons ares vindos do cenário externo. A sessão do Senado foi marcada pelo alívio nas tensões comerciais entre Estados Unidos e China. O vice-ministro das Relações Exteriores do país asiático disse hoje que as negociações com o governo do presidente Donald Trump estão avançando. (Com informações da Agência Brasil).
000

About Author

Related items

  • BRICS: Bolsonaro recebe líderes do bloco para reunião de cúpula em Brasília
    Chefes de Estado Grupo, formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, estão reunidos em Brasília. Agenda prevê discussão sobre temas como Venezuela, Bolívia, protestos em Hong Kong e mudanças climáticas.
    O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quarta-feira, 13/11, em Brasília, os chefes de Estado dos quatro países que fazem parte do Brics, ao lado do Brasil, para mais uma reunião anual do grupo. Além do Brasil, formam o Brics, a Rússia, Índia, China e África do Sul. r
    A programação da 11ª Cúpula do Brics vai até esta quinta, 14, no Palácio Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores.
    Na pauta da cúpula então temas como futuro do bloco, crise na Venezuela, crise na Bolívia, série de protestos em Hong Kong e na Caxemira, além das mudanças climáticas.
    Bolsonaro também terá reuniões separadas com cada chefe de Estado ou de governo do bloco.
    Além do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participam do encontro do Brics: Vladimir Putin, presidente da Rússia; Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia; Xi Jinping, presidente da China; e Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul.
    Presidência brasileira
    O Brasil está na presidência rotativa dos Brics em 2019 e, segundo o Itamaraty, busca deixar a marca de "pragmatismo" no mandato. Passados mais de dez meses, no entanto, os "resultados concretos e perceptíveis como úteis à sociedade" são considerados tímidos por integrantes do governo.
    Os maiores avanços foram em temas de saúde. Desde janeiro, os cinco países lançaram as bases para uma rede de bancos de leite humano – tema no qual o Brasil é referência mundial. Também há esforços para a pesquisa integrada de diagnósticos e medicamentos de combate à tuberculose.
    "O Brics responde por metade dos casos de tuberculose do mundo, até pelo tamanho das populações", afirmou o secretário de Política Externa Comercial e Econômica do Itamaraty, Norberto Moretti.
    Em outras áreas definidas como prioritárias pelo Brasil, como o combate ao terrorismo e o fomento à inovação, o mandato deve terminar sem avanços palpáveis. Em 2020, a presidência do Brics será exercida pela Rússia. (Fonte: G1)
  • POLÍTICA: Bolsonaro deixa o PSL e anuncia novo partido: Aliança pelo Brasil
     
    Nesta terça-feira, o presidente da Repúlcia reuniu parte da bancada no Palácio do Planalto e anunciou sua saída da da legenda.
    O presidente da República, Jair Bolsonaro anunciou, nesta terça-feira, 12/11, que não fará mais parte do PSL. A decisão do chefe do Executivo foi confirmada em reunião com a bancada do partido, no Palácio do Planalto. Seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) já pediu oficialmente a desfiliação da legenda.
    A troca por uma sigla já existente seria outra opção para Bolsonaro – uma vez que presidentes, além de senadores, não são enquadrados nas regras de fidelidade partidária. Contudo, parlamentares confirmaram que ele pretende levar em frente a criação da legenda “Aliança pelo Brasil”. Inclusive, a primeira convenção do novo partido já está programada para a manhã do dia 21 de novembro, no Royal Tulip Brasília.
    A opção escolhida por Jair Bolsonaro dá a ele a oportunidade de atrair não apenas a ala do PSL que já está alinhada a ele, mas também trazer políticos de outros partidos, como Novo, DEM e PL, que até agora votaram com o governo nas pautas econômicas.
    “Abrindo o novo partido, abre-se uma justa causa para que, não só os deputados do PSL saiam, mas qualquer outro deputado de qualquer outro partido. E a gente já sabe de outros deputados, de outros partidos, que querem vir também para o Aliança pelo Brasil”, explicou a deputada Carla Zambelli (PSL-SP).
     
    Após a reunião, Bolsonaro postou nas redes sociais.
    Aliança pelo Brasil logo
    Logo do novo partido do Presidente foi apresentada hoje, à tarde, pelo deputado Federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
    "Hoje, anunciei minha saída do PSL e o início da criação de um novo partido: "Aliança pelo Brasil".
    "Agradeço a todos que colaboraram comigo no PSL e que foram parceiros nas eleições de 2018", disse o Presidente. (Fonte: Metrópoles)
  • EFEITO LULA LIVRE: "Não respondo a criminosos, presos ou soltos", diz Moro sobre ataques de Lula
    Depois do presidente Bolsonaro chamar Lula de "canalha", Moro também posta sobre ataques do ex-presidente condenado.
    Todos sabem que mesmo antes de ser condenado e preso, o ex-presidente Lula já se sentia acima da lei, mas, parece que a prisão de mais de um ano e meio aflorou ainda mais esse lado do ex-presidente petista. Ao deixar a prisão nesta sexta-feira, 8, após ser beneficiado por decisão polêmica de seis ministros do STF, que votaram contra a prisão em segunda instância, Lula saiu com a língua ainda mais afiada, criticando instituições e insultando autoridades brasileiras.
    Esse discurso irresponsável de Lula, que já criticou o MP, a PF, o Presidente da República, o ministro Sérgio Moro, além de conclamar o povo a agir como os chilenos, tem levado seus seguidores à euforia, como aconteceu ontem em Curitiba e, hoje, em São Bernardo do Campo. Porém, parece que as autoridades brasileiras, mesmo sem entrar direto nas provocações, têm observado de perto o falatório do petista e algumas delas já se manifestaram.
    "Canalha"
    Em sua primeira manifestação relacionada à soltura do ex-presidente Lula, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) referiu-se ao petista como “canalha”. Embora sem citar o nome do rival, ele publicou um vídeo em que enaltece o trabalho do ministro Sergio Moro (Justiça) quando este era juiz federal.
    “Amantes da liberdade e do bem, somos a maioria. Não podemos cometer erros. Sem um norte e um comando, mesmo a melhor tropa, se torna num bando que atira para todos os lados, inclusive nos amigos. Não dê munição ao canalha, que momentaneamente está livre, mas carregado de culpa”, escreveu o presidente.
    "Não respondo a criminosos"
    Instado por jornalistas a comentar os ataques de Lula, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, usou também as redes sociais para falar sobre o tema. Em sua postagem, Moro afirmou que 'algumas pessoas só merecem ser ignoradas'
    Acusado por Lula de ter "montado uma quadrilha" ao lado do procurador Deltan Dallagnol para julgá-lo, Moro postou o seguinte: "Não respondo a criminosos, presos ou soltos". Sobre a decisão do Supremo, Moro já havia se manifestado, afirmando que a decisão deve ser respeitada e que espera que o Congresso aprove a PEC que restabeleçe a prisão em segunda instância.
     
    General Heleno
    Hoje também o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, falou sobre os ataques de Lula. Ele disse que o discurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no ABC Paulista "incitou à violência, agrediu instituições do país e ofendeu o presidente da República, Jair Bolsonaro".
    Uso das Forças Armadas
    Após Lula incitar seus militantes a ‘partirem para o ataque’, neste sábado, o presidente Jair Bolsonaro reuniu a alta cúpula das Forças Armadas para analisar o cenário político.
    Caso as autoridades percebam que as instituições estejam correndo risco, o Presidente da República pode usar o Artigo 142 da Constituição Federal e convocar Exército, Marinha e Aeronáutica, justamente, para garantir a ordem das instituições democráticas do país e defender a Pátria de qualquer tipo de ataque interno ou externo.
    A reunião contou com a presença dos ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira (Secretaria de Governo), o chefe do GSI, Augusto Heleno, além dos comandantes Ilques Barbosa Junior (Marinha), Edson Leal Pujol (Exército) e Antonio Carlos Moretti Bermudez (Aeronáutica). (Renato Ferreira)

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.