Quinta, 20 Fevereiro 2020 | Login
ENCHENTES: Senhores governantes não culpem a natureza pela irresponsabilidade de vocês!

ENCHENTES: Senhores governantes não culpem a natureza pela irresponsabilidade de vocês! Featured

Gestores públicos deveriam ser responsabilizados criminalmente por permitir habitações irregulares em morros ou em margens de rios, canalizar ou cobrir córregos de forma inadequada e por não fazer obras de infra-estrutura em áreas urbanas para atender o crescimento populacional. A enchentes são causadas por ações ou omissões humanas.
 
 
Por Renato Ferreira -
Gente, infelizmente, estamos acompanhado mais uma vez no Brasil, as consequências drásticas das enchentes causadas pelas chuvas, principalmente, na região Sudeste. E, se antes, essas tragédias aconteciam somente nos grandes centros urbanos, hoje, elas ocorrem também em pequenas cidades e vilarejos no interior do Brasil.
E todos os anos essas tragédias anunciadas, que poderiam ser evitadas, acontecem. E as desculpas dos governantes e gestores públicos, muito bem remunerados pelo povo para administrar, são as mesmas: "Choveu muito mais do que era previsto". Como se isso fosse alívio para o coração de quem perdeu ente queridos nas enchentes, além dos prejuízos materiais
Estamos ainda longe do final das águas de março e só em Minas Gerais, as enchentes deste ano já mataram mais de 50 pessoas. Pessoas humildes que, com certeza, poderiam ainda estar entre nós, caso as autoridades de ontem e de hoje fossem mais responsáveis e tivessem administrado com mais seriedade e respeito aos seres humanos. Tudo isso acontece pura falta de planejamento, que deveriam ser entendido como crime de responsabilidade.
Água exige passagem livre
Não sou engenheiro e nem especialista em política urbana/ambiental, mas, ao longo da minha aprendi que na natureza a água exige passagem livre. Morei na roça até aos 10 anos de idade e nesse tempo, lá pelo final dos anos 1950 e metade de 1960, essas tragédias não aconteciam com tata frequência em cidades grades e, muito menos, nos pequenos municípios, como ocorrem hoje.
Muitos podem alegar que isso se deve ao aumento da população. Mas, é justamente aí, que entra a falta de planejamento e culpa pelas consequências das enchentes daqueles que se propõem e se apresentam para governar. E apesar das enchentes atingirem todo o Brasil e outros países também, focarei em duas localidades para justificar o enfoque desse artigo, ou seja, a culpa dos governantes pelas tragédias das enchentes: Minas Gerais e Osasco, cidade da região Oeste da Grande São Paulo.
Minas Gerais
Enchentes em Guidoval
Sobre Minas Gerais, onde morei até 1970, citarei alguns municípios da Zona da Mata, onde vivi até aos 10 anos na zona rural, como as cidades de Guiricema, Guidoval e Cataguases, que há muitos anos vêm sofrendo com as enchente. Fato que se repete com as fortes chuvas atuais.
Até 1964, por exemplo, morei e estudei em escolas dessas cidades, e não me lembro de ter vivenciado cenas dramáticas como as que vemos hoje, com rios transbordando e águas cobrindo carros e casas. De vez em quando, ficávamos assustados com alguma tromba d´água, mas, que não causavam devastação tão grande.
E por que hoje essas cidades, muitas até com populações menores, sofrem com as enchentes? Com certeza, esses fenômenos deveriam ser objeto diário de estudo e o ano todo pelos administradores públicos. Certamente, se isso ocorressem, eles e o povo humilde não seriam surpreendidos pelas enchentes.
Lá na roça a gente morava perto de pequenos e grandes rios com as suas grandes e belas margens verdes. Mas, como a gente aprende desde cedo na escola, a vida desses rios depende da mata ciliar que os acompanham em toda sua extensão.E imaginamos que os prefeitos e seus auxiliares também estudaram. Será que hoje, como antigamente, esses rios correm livres e soltos? Com certeza, não.
Justamente, porque hoje com os desmatamento, as nascentes diminuíram, muitas sumiram, os rios estão assoreados e quando chegam próximos às cidades ainda recebem em seus leitos todo o tipo de lixo e esgoto não tratado. E um grande vilão desse dilema, senão o maior, chama-se exploração imobiliária. Cooptados por isso, os administradores cedem aos encantos da corrupção e permitem o crescimento desordenado das cidades, que por sua vez, causa as enchentes. Por isso, a culpa das enchentes não é da natureza.
Ela apenas cobra caro pelo desrespeito que cometemos contra suas florestas e rios. E o meu querido estado de Minas, com todos sabem, é formado por montanhas e rios. E como no caso das barragens - outro crime dos governantes - se não respeitamos essas montanhas, matas e rios de Minas, temos que pagar o alto preço cobrado pela natureza. A natureza cobra
E Belo Horizonte é o maior exemplo dessa falta de planejamento ou visão administrativa. Apesar de ser uma das primeiras cidades planejadas do país, muitas obras urbanas foram feitas de forma errada ou em planejamento para longo tempo.
Há poucos dias, a TV Globo mostrou que nos anos 1970, os administradores de BH fizeram festa com a canalização e cobertura do Ribeirão Arrudas que corta a cidade. Mas, esses administradores não "secaram" o Arrudas. Eles apenas o cobriram para a construção de belas avenidas.
Só que as águas continuaram chegando ao Arrudas e, quando não encontram mais espaço por baixo do asfalto, elas, simplesmente, destroem tudo que encontram pela frente. Talvez, o custo seria menor se tivessem deixado o Arrudas correndo a céu aberto e com suas margens respeitadas. Hoje, com certeza, ele não provocaria tantos estragos e mortes.
E, como o Arruda, poderíamos citar o rio Tietê, em São Paulo, e todos os rios que cortam as cidades brasileiros. Rios que tiveram suas margens encolhidas ou foram transformados em canais subterrâneos. Uma hora esses cursos d´água requerem suas margens de volta.
Osasco
 
Osasco é outra cidade brasileira que sempre sofreu com as enchentes. E o seu bairro que mais sofre com a fúria das águas é o Rochdalle, na zona Norte. Uma das principais causas dessas enchentes, além das moradias irregulares, é o famoso Braço Morto do Tietê, criado pelo homem.
Enchentes periferia Osasco
Até meados do século passado, o Rio Tietê tinha um curso normal e sinuoso no município de Osasco. Um governador a época resolveu mudar esse curso deixando o rio numa linha reta na altura do Bairro do Rochdalle, criando assim o conhecido Braço Morto, que continuou recebendo águas de afluentes.
Só que mudança no curso do Tietê, contrariando a natureza, criou um problema sério. O Braço Morto ficou mais baixo do que leito reto do Rio e, com o aumento da população em suas margens, o Braço Morto acabou se transformando num autêntico braço de enchentes ao longo das décadas.
Atualmente, após várias obras do Governo do Estado em parceria com a Prefeitura, as enchentes diminuíram um pouco, mas, ainda acontecem, como neste sábado, 01, causando ainda inundações e transtorno aos moradores da região.
Enchentes Largo de Osasco
 
E, se hoje, as enchentes diminuíram no Rochdalle, elas ocorrem em outros bairros e até mesmo na região central da cidade. Como em Belo Horizonte, as enchentes em Osasco ocorrem também devido às canalizações de córregos e falta de obras de infra-estrutura. São córregos canalizados que encontram um Tietê assoreado e acabam voltando com suas águas canalizadas para regão central.
Osasco é uma das cidades com maior densidade população do Brasil. Com apenas 64 quilômetros quadrados de extensão, o município possui em torno de 800 mil habitantes. E esse crescimento ocorreu nas últimas décadas com a verticalização da cidade que não tem mais área rural. Na tarde deste sábado, se eu demorasse um pouco mais na região de Quitaúna, certamente, iria encontrar sérias dificuldades para voltar para a Vila São Francisco, devido às inundação naquele bairro e em outra regiões da cidade.
E sobre esse problema da exploração imobiliária e canalização de rios, lembro de um episódio dos anos 1990, quando eu acompanhava o, então, prefeito Silas Bortolosso, numa visita a um córrego no Jardim Roberto, zona Sul, onde a Prefeitura tinha um projeto de canalização.
Num determinado momento, o prefeito lembrou dos tempos de sua infância na região. Diante do córrego sujo, sem margem e cercado por habitações precárias, ele disse: "Naquele tempo, a gente brincava, nadava e pescava nesse rio". Então, vejam que não foi por culpa do Bortolosso que aquele córrego chegou a essa situação, mas, com certeza, se administradores do passado tivessem planejado melhor e conservado o rio limpo e sem habitações irregulares em suas margens, certamente, ele não precisaria ter sido canalizado.
Hoje, as leis proíbem esse tipo de obra, mas, se os gestores públicos continuarem permitindo invasões de encostas e vales, crescimento desordenado e com todo tipo de sujeiras e esgotos sendo despejados em nossos rios, as enchentes vão continuar destruindo e matando pessoas inocentes. Os piscinões resolvem um pouco, mas, eles também precisam ser limpos e conservados.
E depois das tragédias, senhores governantes, não adianta culpar a natureza ou o maior volume de chuvas no verão. A culpa é dos senhores que são pagos para governar, planejar e administrar as cidades. Até mesmo no caso de móveis ou entulhos jogados por moradores nas ruas ou córregos, os gestores púlicos têm culpa, porque cabe eles educar, fiscalizar e punir os maus munícipes. (Renato Ferreira é jornalista e editor do Portal Notícias & Opinião)
000

About Author

Related items

  • EMANCIPAÇÃO: Parabéns, Osasco, pelos seus 58 anos de progresso!
     
    Nesta quarta-feira, 19 de fevereiro, a belíssima e progressista cidade de Osasco, na Grande São Paulo, completa 58 anos anos de sua emancipação político-administrativa. Hoje, uma cidade que nem de longe lembra o bairro abandonado de São Paulo, que se tornou independente da Capital em 19 de fevereiro de 1962, graças à luta de seus bravos emancipadores.
    Como cidadão e como jornalista profissional acompanhei, praticamente, todo esse progresso e transformação de Osasco nesses 58 anos de vida própria. Cheguei à essa bela cidade em 1970, portanto, quando ela tinha apenas 8 anos de independência. E depois, vivi apenas 7 anos fora daqui, de 1985 a 1992, quando morei e trabalhei na também belíssima Piracicaba. Atualmente, resido na Capital, mas, praticamente, na divisa com Osasco, onde sempre exerci minhas principais atividades na Comunicação.
    Quando cheguei por aqui, e até os anos 1980, Osasco já era um importante e rico município, tipicamente industrial. Por aqui, milhares de pessoas trabalhavam em grandes metalúrgicas, como Braseixos e Cobrasma, ou em grandes empresas de outros ramos, como Eternit, Lonaflex, Brow Boveri, Cimaf (tem até hoje), Granada e Osran, dentre outras grandes indústrias.
    Com o crescimento da cidade e de toda a região e, consequentemente, com o aumento de veículos, por questão de logística, essas grandes empresas foram saindo de Osasco e se instalando em outras regiões do Estado. Algumas foram para outros municípios da própria Grande São Paulo e outras se instalaram em cidades do Interior.
    Aos 58 anos de vida própria, hoje, Osasco não perdeu a sua vocação industrial, pois, abriga um grande Distrito Industrial na zona Norte, com grande indústrias, mas, a partir da década de 1980,a cidade foi se transformando num grande centro de prestação de serviços, atraindo também grandes empreendimentos imobiliários, tanto residenciais quanto comerciais e hoteleiros.
    Como um grande centro urbano, apesar de ter somente 64 quilômetros quadrados, Osasco é, hoje, a sexta economia do país e a segunda do Estado. Como é uma cidade que se verticalizou muito rapidamente, Osasco enfrenta problemas comum às grandes cidades, dentre eles na área da saúde, no trânsito e na mobilidade urbana, principalmente, nos horários de pico, uma vez que ela está entre grandes rodovias, como a Anhanguera, Castelo Branco, Raposo Tavares e o Rodoanel Mário Covas.
    Sem festa
    Outro problema que Osasco sempre enfrentou e ainda enfrenta em menores proporções, mesmo com diversas obras de contenção, são as enchentes, como a que aconteceu no último dia 10. Um fortíssimo temporal atingiu a cidade e toda a região Oeste provocando alagamentos e deslizamento de terra.
    Inclusive, a Prefeitura elaborou uma série de eventos para comemorar os 58 anos, durante o mês, mas, alguns, como shows musicais foram suspensos, justamente, para que toda a Administração voltasse para o atendimento aos munícipes atingidos pelas enchentes. Outros eventos, como inaugurações e reformas foram mantidos.
    Infelizmente, o menino Kauê, de 7 anos, que ficou soterrado num deslizamento no Morro do Socó, não resistiu aos ferimentos e faleceu no domingo, dia 16.
    O Portal Notícias & Opinião parabeniza Osasco e deseja que a cidade continue crescendo de forma ordenada! Parabéns, Osasco! (Renato Ferreira)
  • DESLIZAMENTO: Morre menino que ficou soterrado no Morro do Socó, em Osasco
     
    Neste domingo, 16/02, infelizmente, foi confirmada a morte de Kauê Tavares, o menino de 7 anos que ficou soterrado em um deslizamento no Morro do Socó, em Osasco, durante o temporal na madrugada de segunda-feira, 10. As fortes chuvas atingiram Osasco e as demais cidades da região Oeste.
    O menino ficou mais de 30 minutos soterrado e, segundo os socorristas, ele chegou a sofrer uma parada cardiorrespiratória. Antes dos Bombeiros chegarem ao local de difícil acesso, ele foi socorrido por vizinhos e levado para o Pronto Socorro do Jardim Imperial, em Barueri. Posteriormente, o garoto foi levado para Hospital Municipal de Barueri, onde estava internado na UTI
    O deslizamento de terra atingiu três casas, entre elas a da família do menino. Seus pais também ficaram feridos, mas sem gravidade e receberam alta após os primeiros atendimentos médicos
    Após o deslizamento, a Prefeitura de Osasco removeu 81 famílias do Morro do Socó, que estavam em área de risco. A maioria dos desabrigados foi para casa de parentes na região.
    Após a internação, a família não autorizava a divulgação de informações sobre o estado de saúde do Kaué. E para respeitar essa decisão da família, o Hospital optou também por não divulgar boletim médico sobre o caso. No domingo, no entanto, ele não resistiu aos ferimentos e acabou falecendo. Segundo informações, seu corpo deve deve ser velado e enterrado no Piauí, estado natal da família.
  • SEM FESTA: Prefeitura adia eventos sobre aniversário de 58 anos de Osasco
     
    A Prefeitura de Osasco adiou o lançamento da Programação de Aniversário de 58 anos de emancipação político-administrativa do município, que seria realizado nesta quarta-feira, 12/2, às 19h, no Teatro Municipal Glória Giglio.
    Também foi adiado o show de aniversário, promovido pela prefeitura, em parceria com a Rádio Nativa FM. O evento aconteceria no domingo, 16/2, a partir das 13h, no Estádio Prefeito José Liberatti, no Jardim Rochdale.
    Assim que as novas datas dos eventos forem definidas, a Prefeitura fará uma ampla divulgação. Quem já fez a troca dos alimentos por ingressos do show, não precisa se preocupar, porque eles terão validade posteriormente. É importante salientar que os shows de aniversário com Zé Neto e Cristiano, Lucas Lucco, Gustavo Mioto, Juan Marcus e Vinícius e outras atrações não têm custos para município.
    Assim como o show e o lançamento da programação, outros eventos agendados para acontecerem durante a semana de 10 a 16/2, como entregas de reformas, inauguração do CID, entre outros, também foram adiados.
    O adiamento dos eventos se deu por conta das fortes chuvas que caíram em Osasco, na madrugada de segunda-feira, 10/02, registrando o maior índice dos últimos 7 anos, 186 mm. A Prefeitura de Osasco decretou “Estado de Calamidade” (Decreto nº 12.353, de 10/2/2020), com base nos relatórios de ocorrência emitidos pela Defesa Civil de Osasco. (SECOM/PMO)
    Serviço
    ADIAMENTO: Lançamento da programação de Aniversário de Osasco e shows musicais.

Quem somos

Notícias & Opinião é um site de notícias gerais editado pela Empresa Jornalística Notícias de Paz Ltda - EPP, a partir da Capital e região Oeste da Grande São Paulo.

Como o próprio nome diz, aqui você vai encontrar notícias, entrevistas, artigos, crônicas e opinião sobre política, economia, educação, cultura e esporte, dentre outros temas do nosso dia-a-dia.