Print this page
BOMBA: Eduardo Cunha diz que "discutiu impeachment de Dilma" com Lula e Joesley

BOMBA: Eduardo Cunha diz que "discutiu impeachment de Dilma" com Lula e Joesley Featured

O ex-deputado, que se encontra preso, desmente o dono da JBS e ainda informa como o encontro em São Paulo, entre ele, Joesley e Lula, pode ser confirmado

 

Não demorou muito para a entrevista bomba do empresário Joesley Batista à revista Época, onde chama o presidente Temer de "chefe da quadilha mais perigosa do Brasil", detonar outra BOMBA, desta vez vinda de Curitiba. Depois que o presidente reagiu à entrevista, processando Joesley Batista, foi a vez do ex-deputado e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vir à tona e desmentir o dono da JBS e da marca de carne Friboi.

Da cela que ocupa em Curitiba, onde está preso depois de ser acusado e condenado na operação Lava jato,  Eduardo Cunha escreveu nesta segunda-feira (19/06),  uma carta endereçada ao Judiciário, em que diz ter se reunido com Joesley Batista e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para discutir o processo de impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Segundo o ex-deputado fluminense, a reunião foi marcada pelo próprio empresário da JBS. Ele escreveu a carta para desmentir o que Joesley informou, em entrevista à revista “Época”, sobre a relação com Lula. Segundo Joesleu, ele e o ex-presidente só teriam se encontrado duas vezes.

“Ele [Joesley] fala que só encontrou o ex-presidente Lula por duas vezes, em 2006 e 2013. Mentira! Ele apenas se esqueceu que promoveu um encontro que durou horas, no dia 26 de março de 2016, Sábado de Aleluia, na sua residência […] entre eu, ele e Lula, a pedido de Lula, a fim de discutir o processo de impeachment […] onde pude constatar a relação entre eles e os constantes encontros que eles mantinham”, diz Cunha.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados ainda afirma que existência da reunião pode ser comprovada pelos seguranças da presidência da Câmara e pelos registros do carro alugado em São Paulo.

Ainda na carta, Eduardo Cunha deu a entender que mantinha relação de proximidade com Joesley. “Lamento ter exposto a minha família à convivência com esse perigoso marginal, na minha casa e na dele”, afirmou o ex-deputado. (Renato Ferreira com informações da Folha de S. Paulo.)

000

About Author