Print this page
MPF pede absolvição de Lula e suspensão de benefícios a ex-senador Delcídio

MPF pede absolvição de Lula e suspensão de benefícios a ex-senador Delcídio Featured

 

 

 

 

 

Nesta sexta-feira (01/09), o Ministério Público Federal do Distrito Federal (MPF-DF) pediu a absolvição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso de suposta tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Os investigadores concluíram que não há provas de que eles participaram do esquema criminoso, conforme acusação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS).

 

Conforme o processo, a procuradoria pediu também a absolvição do banqueiro André Esteves, dono do BTG. Além disso, a Procuradoria recomenda ainda que Delcídio perca os benefícios da delação premiada. 

 

Segundo os investigadores, o ex-senador, que foi expulso do PT, mentiu sobre fatos que levaram à abertura de ação penal contra sete pessoas. Para o MPF, devem ser condenados o advogado Edson Ribeiro, que defendia Cerveró, o pecuarista José Carlos Bumlai e seu filho Maurício, além de Diogo Ferreira, antigo assessor de Delcídio. 

Em sua versão na delação premiada, Delcídio do Amaral afirmou que todo o dinheiro foi dado por José Carlos Bumlai, por intermédio do filho, Maurício Bumlai, e que ele apenas encaminhou a entrega das cinco parcelas de R$ 50 mil ao ex-diretor da Petrobras a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

A afirmação é contestada e desmentida em vários depoimentos colhidos durante a instrução processual. José Carlos e Maurício - ambos denunciados - confessaram ter entregue R$ 100 mil a interlocutores de Delcídio, sustentando que tratava-se de "empréstimo" a este. 

Além disso, uma testemunha disse ter feito empréstimo pessoal ao senador dos recursos utilizados para o pagamento da quarta parcela. 

Ainda segundo o MPF, Delcídio também mentiu sobre a quinta entrega de valores, ao afirmar que teria sido feita por Diogo Rodriguez com recursos da família Bumlai. No entanto, os investigadores constatara que a entrega foi feita pelo próprio Delcídio. Já a origem do dinheiro não foi comprovada. (Fonte: O Estado de Minas - Site UAI)

000

About Author